domingo, 31 de maio de 2009

North-America's Geopol Think Tank

Geopolitical Diary: A 'Dragon-Jaguar' Alliance?
May 21, 2009

Chinese President Hu Jintao and Brazilian President Luiz Inacio
Lula da Silva oversaw the signing of 13 strategic cooperation accords
during a Brazilian delegation’s visit to Beijing, which ended Wednesday.
Among the key deals were a $10 billion loan from China to Brazil’s
state-owned Petroleo Brasileiro SA (Petrobras); the deal calls for
Petrobras to deliver up to 200,000 barrels of crude oil per day for the
next decade to China. Also discussed was the possibility of conducting
bilateral trade in the two countries’ domestic currencies instead of in
U.S. dollars.

The visit, and particularly the economic deals, provides new
evidence for the thesis thatChina and Brazil are on a path toward a
close alliance that one day might blossom into a counterweight to U.S.
hegemony. Among the many serious adherents to this thesis is U.S.
Secretary of State Hillary Clinton, who at the beginning of May equated
China’s dealings in Latin America to those of Iran: She said she was
disturbed by Beijing’s moves to strengthen economic and political
connections on the continent.

Before declaring the definitive beginnings of a “Dragon-Jaguar”
alliance and delving into its implications for the United States,
however, it is useful to explore the geopolitical impediments to such a
partnership. Alliances, in particular the long-term strategic kind, are
at least nominally underpinned by four general factors: common political
heritage, feasibility of economic cooperation, common military aims and
common enemy or threat. In terms of political heritage, China and Brazil
share only a very tenuous link to the Portuguese imperial expansion — a
link that defines Brazil on many levels but whose legacy for China does
not extend beyond the gambling paradise of Macao.

In terms of military aims and military threats, the two countries
could not be further apart.China is a land power looking to expand its
naval capabilities so that it can project power into the contentious and
volatile South China Sea, where it competes with Malaysia,
thePhilippines, Taiwan and Vietnam. Furthermore, Beijing’s main concerns
are the nearby marine trade routes that it does not control due to U.S.
naval dominance, such as the Taiwan Strait and the Strait of Malacca.

By contrast, Brazil’s immediate security imperative is to control
its own territory — including the largely secure southern border with
its only real regional rival, Argentina, as well as the wild Amazon rain
forest. This makes Brazil’s strategic objectives inherently
inward-looking and land-based, and it means Brazil has very little to
contribute at this point to China’s quest to secure ocean transport. In
the long term, Brazil is certainly interested in developing its own
naval capacity, and it sees its position in the South Atlantic as a
potential strategic lever in the realm of ocean control. However, Brazil
has turned to France, not China, for aid in developing much of its naval
capacity, and it has a great deal of room to grow before it becomes a
global player in this arena.

Economic cooperation does constitute a strong link between China
and Brazil, and it is clear that trade between them is growing rapidly.
Here again, however, China and Brazil are separated by great distance.
Commodity exports to China will have to wait for the Panama canal
expansion (projected to be completed in 2014) before they can begin in
earnest, but even with an expanded Panama Canal, the trade routes
between China and Brazil will be three times longer than current routes
linking China and the Middle East — not an economically discountable
distance. Militarily speaking, because they have to go through the
Panama Canal and across the breadth of the Pacific Ocean, trade links
between China andBrazil will be just as vulnerable to U.S. naval
interdiction as China’s links to Middle Eastern energy producers.

What today might seem to be an obvious marriage of Brazil’s
commodity exports andChina’s insatiable appetite for energy and minerals
may not last forever. For one thing,Brazil is neither a developing
nation nor a Middle Eastern economy based on commodity exports; it is an
industrializing country with a diversified economy and no plans to
become the Nigeria of Latin America. Its recent spate of oil discoveries
notwithstanding, Brazil still has designs on becoming a major industrial
power and a financial center for Latin America. With a population of 200
million and a multitrillion-dollar economy that ranks in the world’s top
10, Brazil’s rise as an industrial power means its commodity-exporting
days are numbered: Ultimately, it aims to satisfy its own growing energy
and industrial demand. If such an economic path seems farfetched, one
has only to look at Chinese energy needs of 30 years ago and imagine
what Brazil might look like in 2040.

As Brazil industrializes, it will become a direct trade rival for
China, particularly since the U.S.consumer market will be the
destination for the bulk of manufactured products from both states. The
United States is China’s main export market (when accounting for
secondary trade flows that include the entire Chinese supply chain), a
key variable for China’s export-driven economy. Beijing will be
extremely wary of anything that overtly threatens that trade
relationship. China and Brazil are already global competitors in
medium-haul regional airplane production; the geography of both
countries requires a robust regional airplane industry to facilitate
internal transportation. They eventually will be pitted against each
other in offshore oil exploration, and it is not implausible that they
will compete in other industries as well.

Both China and Brazil therefore are more interested in getting the
most out of the United States as a market than in forming a
“Dragon-Jaguar” economic partnership that would underpin an aggressive
political posture toward Washington. This also means that – much as
during the Cold War, when Washington broke apart the Sino-Soviet
relationship — a Brazil-China alliance will be one that United States
could fracture by giving one side concessions over the other.

For China in particular, the cost-benefit analysis of meddling in
the U.S. hemisphere discounts an alliance with Brazil. There are simply
too many ways for the United States to counter China in its own
neighborhood — especially by tightening the screws on its sea lanes —
for Beijing to risk irking the Americans. Brazil, on the other hand, has
very little to gain from making China — a limited naval power on the
other side of the planet with which it does not even share an ocean —
its main security partner. The United States would surround Brazil with
regional rivals and thereby thwart Brazilian power projection in Latin
America, with Beijing too far away to help.

By forming a partnership with China, Brazil would create a military
threat for itself that previously did not exist, rather than increase
security through an alliance.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Orientação Vocacional

O método é simples:

1 - Colocar todos os candidatos num galpão.
2 - Disponibilizar 200 tijolos para cada um.
3 - Não dê orientação alguma sobre o que fazer.
4 - Tranque-os lá.
Após seis horas, volte e verifique o que fizeram. Segue a análise dos resultados:
1 - Os que contaram os tijolos, contrate como contadores.
2 - Os que contaram e em seguida recontaram os tijolos, são auditores.
3 - Os que espalharam os tijolos são engenheiros.
4 - Os que tiverem arrumado os tijolos de maneira muito estranha, difícil de entender, coloque-os no Planejamento, Projeto e Implantação Controle de Produção.
5 - Os que estiverem jogando tijolos uns nos outros, coloque-os em Operações.
6 - Os que estiverem dormindo, coloque-os na Segurança.
7 - Aqueles que picaram os tijolos em pedacinhos e estiverem tentando montá-los novamente, devem ir direto à Tecnologia da Informação.
8 - Os que estiverem sentados sem fazer nada ou batendo papo-furado, são dos Recursos Humanos.
9 - Os que disserem que fizeram de tudo para diminuir o estoque mas a
concorrência está desleal e será preciso pensar em maiores facilidades, são vendedores natos.
10 - Os que já tiverem saído, são gerentes.
11 - Os que estiverem olhando pela janela com o olhar perdido no infinito, são os responsáveis pelo Planejamento Estratégico.
12 - Os que estiverem conversando entre si com as mãos no bolso demonstrando que nem sequer tocaram nos tijolos e jamais fariam isso, cumprimente-os com muito respeito e coloque-os na Diretoria.
13 - Os que levantaram um muro e se esconderam atrás são do Departamento de Marketing.
14 - Os que afirmarem não estar vendo tijolo algum na sala, são advogados, encaminhem ao Departamento Jurídico.
15 - Os que reclamarem que os tijolos ‘estão uma porcaria, sem identificação, sem padronização e com medidas erradas’, coloque na Qualidade.
16 - Os que começarem a chamar os demais de ‘companheiros’, elimine-os imediatamente antes que criem um sindicato

Bonne Vie

Last Day Dream [HD] from Chris Milk on Vimeo.

sábado, 23 de maio de 2009

O que a Escócia faz com as Pessoas

Scotch Mist, do Radiohead no ano novo de 2007, apresentando o álbum In Rainbows, na época sem nome. É mais bizarro do que o normal. O louco é que eu vejo esse bizarro bonito, com um pouco de inocência e harmonia melancólica. E eles surfando ali no sublime com piano, guitarra, eletrônica, baixo e batera, e tudo muito integrado com o mist escocês. Com malt também, certamente. Highlands.

A Língua dos Deuses

PO na veia!

Veja a reportagem mater aqui.

Sobre Carnes e Melões

O CEO da Google Eric Schmidt falando como trustee da Carnegie Mellon em mua conferência na Universidade anteontem, 19/5/9.

sábado, 16 de maio de 2009

Be Sexy

Dedicado à feminista baranga.

Truwist

Assim como existem os Soul Surfers, existem os Soul Twisters.
Les Vrai Twisters.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

A Tomada

“Quem possui ciência e a arte tem também a religião.
Quem não possui nem uma nem outra, que tenha religião.”

Schiller

sábado, 9 de maio de 2009

Old Stones

MTV Unplugged de cadeira de balanço foi antológico!
Stone Temple Pilots - MTV Live Unplugged - (FULL SET)

The Venus Project

What's up Doc?


WHAT’S UP DOC?:
LEE HYUNGKOO AND THE ORIGIN OF THE SPECIES
Howard Rutkowski


The Punch Line

A black room frames the installation, which is dramatically spot-lit. A presentation of two skeletons, not unlike what one might see in a museum of natural history; a predator chasing its prey. Then the dawning – it’s Wile E. Coyote and The Roadrunner! Reduced to a science exhibit! Brilliant, clever and very, very funny.

Once the laughter subsides, something very interesting begins to emerge. The work is not merely clever or amusing in the way that Cattelan’s taxidermy animals are. There’s a whole new bit of forensic activity at work and the viewer is drawn into an exploration of the process behind this reductio ad absurdum. First of all, cartoon characters are not real; they are two-dimensional exaggerations of human behaviour. Yet, over time, they have entered the pantheon of global popular culture and are more recognisable than the real personalities that shape our world (Just consider the multi-national empire that is Disney). Our own predisposition to anthropomorphise furry (and feathered) creatures allows us to endow them with personalities that reflect our own and to place them in situations that mirror the trials and tribulations of our daily lives. So, if these cartoon figures can represent us in a simplified, yet extreme form, it follows that this form can be deconstructed and analysed.

Lee Hyungkoo’s approach eschews the pop psychological approach to deconstruction. What he is doing is actually physical deconstruction – more pop palaeontology – and it is detailed, thorough and completely worked through.


‘Familiar Tree’

This was Lee’s original idea for the title of the exhibition. As a play on ‘family tree,’ he was looking to describe the evolution of his creations and to evoke the empathy we all have with these animated characters. This new body of work began with Homo Animatus of 2002–2004. This was an homunculus – Latin for ‘little man’ – a cartoon exaggeration of human form (think of Elmer Fudd as a skeleton). The original homunculus was a creature with magic powers that medieval alchemists claimed to have created. Considering that Lee’s studio looks more like a laboratory than a typical artist’s atelier, the connection is even more easily drawn. Plus cartoon characters do possess incredible strength, resilience and resourcefulness: how many times has the Coyote fell off a cliff, only to rebound fully-intact in the next frame?

Homo Animatus was an extension of a series of earlier pieces where the artist physically sought to alter – to reduce to cartoon simplicity – his own anatomy. Using plastic forms, enlarging and reducing lenses, Lee created a variety of body costumes that altered both one’s appearance and one’s vision of the real world at the same time. Homo Animatus is, for Lee, the ‘Origin of the Species;’ in a peculiar and devolutionary way, of course, and in keeping with how animated creatures serve as stand-ins for their human counterparts. Canis Latrans Animatus (Wile E. Coyote) and Geococcyx Animatus (Roadrunner) followed and are now joined by Lepus Animatus (Bugs Bunny), Felis Catus Animatus (Tom), Mus Animatus (Jerry), Anas Animatus (Donald Duck) and his three nephews, Animatus H, D and L (Huey, Dewey and Louie).

‘Familiar Tree’ remains an appropriate description for this body of work. These are the ‘skeletons’ of characters/personalities that are as close to us and as instantly recognisable as our own inner frames.


The Process

Stories of any kind usually require a build-up before offering the denouement. The joke involves a narrative before providing the punch line. Lee Hyungkoo works backwards. Merely seeing the work gives no clues to the complexity of its creation. Visually, the work can strike a chord and delight, amuse or bewilder, but examining its origins and development frames it properly.

Lee’s studio is a laboratory and could not be further removed from a scruffy artist’s garret. With a white-coated, masked team of technicians working in ‘clean rooms,’ the space is unlike any other. Bones of real animals sit on shelves alongside those of the works in progress. Clay constructions of skulls of imaginary characters provide a reference to those reconstructions of our fossilised ancestors. The walls are adorned with drawings of the anatomies of both real animals and their animated renditions. The tools and working methods are more akin to the procedures seen on the Nature Channel than the usual brush and paint-pot strewn environments one usually associates with the creation of contemporary works of art.

The adoption of Latin names to describe the individual creations underscores the faux-scientific approach, utilising the classifications associated with ‘kingdom, phylum, genus, species’ that categorise every living thing on the planet. Fans of the Roadrunner cartoons will recall that schoolboy Latin was often used to describe the characters, e.g. ‘Coyotus imbicilus.’


The Sources

The work itself, while sublime, delightful and amusing, requires an in-depth understanding of how all of this came to be in order to be fully appreciated. Observing the creation of this various works does provide the modus operandi behind Lee’s work, but where does the origin of the Origin of the Species lie?

Lee has cited Rodin and Giacometti as sculptural artists to whom he has responded within the development of his own work. Rodin was a breakthrough artist who sought to imbue the natural human form – warts and all – with a heroic sense of space, rejecting along the way the idealisation of the body that was previously the hallmark of Western sculpture. Rodin changed the way one could look at the human figure much in the same way that Lee’s optical helmets and body-distorting devices create alternative physical realities.

Giacometti’s own work passed through a number of critical stages – representational, cubist and surrealist – until he reached his apogee in Post-War Europe and sought to render the human form in all its existential angst. Giacometti found the inner reality of man.

Lee has spoken about the ability of these two artists to create a new sense of sculptural space. ‘Space’ is a concept that all artists working in three-dimensions must come to terms with. With this new body of work Lee has gone from the virtual space defined by his Objectuals series and has made the virtual a reality.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Cidades Invisíveis

“Marco entra numa cidade; vê alguém numa praça que vive uma vida ou um instante que poderiam ser seus; ele podia estar no lugar daquele homem se tivesse parado no tempo tanto tempo atrás, ou então se tanto tempo atrás numa encruzilhada tivesse tornado uma estrada em vez de outra e depois de uma longa via­gem se encontrasse no lugar daquele homem e naquela praça.

Agora, desse passado real ou hipotético, ele está excluído; não pode parar; deve prosseguir ate uma outra cidade em que outro passado aguarda por ele, ou algo que talvez fosse um possível futuro e que agora é o presente de outra pessoa. Os futuros não realizados são apenas ramos do passado: ramos secos.
— Você viaja para reviver o seu passado? — era, a esta altura, a pergunta do Khan, que também podia ser formulada da seguinte maneira: — Você viaja para reencontrar o seu futuro?

E a resposta de Marco:
— Os outros lugares são espelhos em negativo. O viajante reconhece o pouco que é seu descobrindo o muito que não teve e o que não terá.”

-Ítalo Calvino, em Cidades Invisíveis

Jimi

Little Wing - Hendrix

terça-feira, 5 de maio de 2009

Beat Box

Baudrillard

A verdade oblíqua

O pensador que inspirou a trilogia "Matrix" não gosta do filme e acha que a cultura americana impõe padrões banais

LUíS ANTôNIO GIRON

O professor baixo e mal-humorado é hoje uma das figuras mais populares do novo século. O pensador francês Jean Baudrillard, de 74 anos, recusa-se a falar em inglês. Mesmo assim, é tão popular nos Estados Unidos por causa de suas análises sobre a cultura de massa que foi convidado a fazer um show de filosofia em Las Vegas. E seu nome está na boca dos espectadores da trilogia Matrix. No primeiro filme dos irmãos Wachowski, o hacker Neo (Keanu Reeves) guarda seus programas de paraísos artificiais no fundo falso do livro Simulacros e Simulação, de Baudrillard. Keanu leu o livro e costuma mencionar o autor em todas as suas entrevistas sobre Matrix Reloaded, o novo filme da trilogia. Até porque o ensaio sobre como os meios de comunicação de massa produzem a realidade virtual inspirou os diretores de Matrix a criar o roteiro.

Baudrillard não parece ligar para a fama. Ele esteve no Brasil para lançar seu novo livro, Power Inferno (Sulina, 80 páginas, R$ 18), e participar da conferência 'A Subjetividade na Cultura Digital', na Universidade Cândido Mendes, no Rio de Janeiro, onde falou com ÉPOCA. Sempre pautado por assuntos atuais, ele analisa no ensaio os atentados de 11 de setembro de 2001 como um ato simbólico contra o Ocidente. Nesta entrevista, ele fala sobre seu pensamento turboniilista, 11 de setembro e arte. Se a realidade já não existe e vivemos um permanente e conspiratório espetáculo de mídia, como quer Jean Baudrillard, o pensador exerce a função de entertainer às avessas. Ele decreta o fim dos tempos, e todo mundo vibra.

ÉPOCA - Suas idéias demolidoras estão mais em moda do que nunca. O mundo ficou mais parecido com o senhor?
Jean Baudrillard - Não aconteceu nada. O resultado de um consumo rápido e maciço de idéias só pode ser redutor. Há um mal-entendido em relação a meu pensamento. Citam meus conceitos de modo irracional. Hoje o pensamento é tratado de forma irresponsável. Tudo é efeito especial. Veja o conceito de pós-modernidade. Ele não existe, mas o mundo inteiro o usa com a maior familiaridade. Eu próprio sou chamado de 'pós-moderno', o que é um absurdo.

ÉPOCA - Mas pós-modernidade não é um conceito teórico racional?
Baudrillard - A noção de pós-modernidade não passa de uma forma irresponsável de abordagem pseudocientífica dos fenômenos. Trata-se de um sistema de interpretações a partir de uma palavra com crédito ilimitado, que pode ser aplicada a qualquer coisa. Seria piada chamá-la de conceito teórico.

ÉPOCA - Se não é pós-moderno, como o senhor define seu pensamento em poucas palavras? Os críticos o chamam de pensador terrorista, ou niilista irônico.
Baudrillard - Sou um dissidente da verdade. Não creio na idéia de discurso de verdade, de uma realidade única e inquestionável. Desenvolvo uma teoria irônica que tem por fim formular hipóteses. Estas podem ajudar a revelar aspectos impensáveis. Procuro refletir por caminhos oblíquos. Lanço mão de fragmentos, não de textos unificados por uma lógica rigorosa. Nesse raciocínio, o paradoxo é mais importante que o discurso linear. Para simplificar, examino a vida que acontece no momento, como um fotógrafo. Aliás, sou um fotógrafo.

ÉPOCA - Como o senhor explica a espetacularização da realidade?
Baudrillard - Os signos evoluíram, tomaram conta do mundo e hoje o dominam. Os sistemas de signos operam no lugar dos objetos e progridem exponencialmente em representações cada vez mais complexas. O objeto é o discurso, que promove intercâmbios virtuais incontroláveis, para além do objeto. No começo de minha carreira intelectual, nos anos 60, escrevi um ensaio intitulado 'A Economia Política dos Signos', a indústria do espetáculo ainda engatinhava e os signos cumpriam a função simples de substituir objetos reais. Analisei o papel do valor dos signos nas trocas humanas. Atualmente, cada signo está se transformando em um objeto em si mesmo e materializando o fetiche, virou valor de uso e troca a um só tempo. Os signos estão criando novas estruturas diferenciais que ultrapassam qualquer conhecimento atual. Ainda não sabemos onde isso vai dar.

'Matrix faz uma leitura ingênua da relação entre ilusão e realidade. Os diretores se basearam em meu livro Simulacros e Simulação, mas não o entenderam. Prefiro filmes como Truman Show e Cidade dos Sonhos, cujos realizadores perceberam que a diferença entre uma coisa e outra é menos evidente'

ÉPOCA - A disseminação de signos a despeito dos objetos pode conduzir a civilização à renúncia do saber?
Baudrillard - Alguma coisa se perdeu no meio da história humana recente. O relativismo dos signos resultou em uma espécie de catástrofe simbólica. Amargamos hoje a morte da crítica e das categorias racionais. O pior é que não estamos preparados para enfrentar a nova situação. É necessário construir um pensamento que se organize por deslocamentos, um anti-sistema paradoxal e radicalmente reflexivo que dê conta do mundo sem preconceitos e sem nostalgia da verdade. A questão agora é como podemos ser humanos perante a ascensão incontrolável da tecnologia.

ÉPOCA - Seu raciocínio lembra os dos personagens da trilogia Matrix. O senhor gostou do filme?
Baudrillard - É uma produção divertida, repleta de efeitos especiais, só que muito metafórica. Os irmãos Wachowski são bons no que fazem. Keanu Reeves também tem me citado em muitas ocasiões, só que eu não tenho certeza de que ele captou meu pensamento. O fato, porém, é que Matrix faz uma leitura ingênua da relação entre ilusão e realidade. Os diretores se basearam em meu livro Simulacros e Simulação, mas não o entenderam. Prefiro filmes como Truman Show e Cidade dos Sonhos, cujos realizadores perceberam que a diferença entre uma coisa e outra é menos evidente. Nos dois filmes, minhas idéias estão mais bem aplicadas. Os Wachowskis me chamaram para prestar uma assessoria filosófica para Matrix Reloaded e Matrix Revolutions, mas não aceitei o convite. Como poderia? Não tenho nada a ver com kung fu. Meu trabalho é discutir idéias em ambientes apropriados para essa atividade.

ÉPOCA - Quanto à arte, o senhor se dedicou a analisar o fenômeno artístico ao longo dos anos. Em que pé se encontra a arte contemporânea?
Baudrillard - A arte se integrou ao ciclo da banalidade. Ela voltou a ser realista, a desejar a restituição da reprodução clássica. A arte quer cumplicidade do público e gozar de um status especial de culto, situação prefigurada nas sinfonias de Gustav Mahler. Claro que há exceções, mas, em geral, os artistas se renderam à realidade tecnológica. Desde os ready-mades de Marcel Duchamp, a importância da arte diminuiu, porque a obra de arte deixou de ter um valor em si. Os signos soterraram a singularidade. Os artistas se submetem a imperativos políticos, e não mais seguem ideais estéticos. A arte já não transforma a realidade e isso é muito grave.

ÉPOCA - Por que o senhor escreveu tanto sobre a cultura americana mas nunca refletiu sobre o Brasil, que o senhor tanto adora visitar?
Baudrillard - Já me cobraram um livro sobre o Brasil. Cito-o em minhas Cool Memories (trabalho no quinto volume) e em outros textos, mas a cultura brasileira é muito complexa para meu alcance teórico. Ela não se enquadra muito em minhas preocupações com a contemporaneidade, não tem nada a ver com a americana, com seus dualismos maniqueístas, um país que se construiu a partir das simulações, um deserto da cultura no qual o vazio é tudo. Os Estados Unidos são o grau zero da cultura, possuem uma sociedade regressiva, primitiva e altamente original em sua vacuidade. No Brasil há leis de sensualidade e de alegria de viver, bem mais complicadas de explicar. No Brasil, vigora o charme.

ÉPOCA - O que o senhor pensa da civilização americana depois dos atentados de 11 de setembro? O mundo mudou mesmo por causa deles?
Baudrillard - Claro que mudou. Nunca mais seremos os mesmos depois da destruição do World Trade Center. Abordo o tema em Power Inferno, uma coletânea de artigos sobre o império americano e a política. Considero os atentados um ato fundador do novo século, um acontecimento simbólico de imensa importância porque de certa forma consagra o império mundial e sua banalidade. A Guerra do Iraque apenas dá seqüência às ações imperiais. Os terroristas que destruíram as torres gêmeas introduziram uma forma alternativa de violência que se dissemina em alta velocidade. A nova modalidade está gerando uma visão de realidade que o homem desconhecia. O terrorismo funda o admirável mundo novo. Bom ou mau, é o que há de novo em filosofia. O terrorismo está alterando a realidade e a visão de mundo. Para lidar com um fato de tamanha envergadura, precisamos assimilar suas lições por meio do pensamento.

JEAN BAUDRILLARD
Nascimento
Reims, na França, em 1929
Trajetória
Sociólogo e fotógrafo. Em 1966 começou a lecionar na Universidade de Paris X-Nanterre. Atualmente, dedica-se a escrever e fazer palestras
Livros principais
O Sistema dos Objetos (1968), À Sombra das Maiorias Silenciosas (1978), Simulacros e Simulação (1981), América (1988), Cool Memories I (1990), A Troca Impossível (1999), O Lúdico e o Policial (2000)

S&S II

Cultura imagética; espetáculo; sinal-valor; mercadoria-signo; lei do código; sedução; maioria silenciosa; excrescência, e muitos outros conceitos e expressões que conectados ao conceito-chave de “simulacro”, remetem-nos imediatamente a um nome: Jean Baudrillard. Juntamente com Jacques Derrida, Michel Foucault, Jean-François Lyotard, Cornelius Castoriadis e Edgar Morin, entre outros, destacou-se como representante da chamada “Nova Teoria Francesa”, caracterizando-se assim como um teórico interdisciplinar, e como tal, seus escritos sempre trouxeram a marca das interconexões entre economia e política, cultura e sociedade, colocando-o para além dos marcos científicos tradicionais.

Nos debates sobre a pós-modernidade, Baudrillard passou a ser reconhecido como o teórico do regime do “simulacro” através de sua obra intitulada “Simulacros e Simulação”, livro que se tornou famoso também fora do ambiente acadêmico quando foi exibido no filme Matrix, pois é dentro de uma edição deste livro que “Neo” guarda seus programas. Colaborou ainda o fato do ator Keanu Reeves dizer em suas entrevistas sobre o filme, que havia lido “Simulacros e Simulação”. Foi o que bastou para que o nome de Baudrillard com sua teoria sobre o simulacro fosse rapidamente associado ao filme. Ele não gostou desta associação, e na época ainda comentou que tanto os responsáveis pelo filme, como Reeves, “se leram meu livro, não entenderam nada”.

A interpretação distorcida do pensamento de Baudrillard feita em “Matrix”, é bastante comum entre os leitores universitários bem como entre muitos admiradores de seus trabalhos. Na entrevista sobre este filme, Baudrillard foi objetivo: "existem filmes melhores que este sobre o mesmo tema. "Truman Show", por exemplo, é mais sutil. Não deixa o real de um lado e o virtual de outro, como "Matrix". Esse é o problema." Essa é a confusão.

O difícil conceito de simulacro tendo por base o “quarto estágio (o terminal) do signo”, nunca esteve relacionado com uma oposição entre simulação e realidade, entre o real e o signo, em outras palavras, nunca quis dizer irrealidade. Os simulacros são experiências, formas, códigos, digitalidades e objetos sem referência que se apresentam mais reais do que a própria realidade, ou seja, são “hiper-reais”. Como ele escreveu: “A simulação já não é a simulação de um território, de um ser referencial, de uma substância. É a geração pelos modelos de um real sem origem nem realidade: hiper-real”. Assim, Baudrillard entendia nossa condição como a de uma ordem social na qual os simulacros e os sinais estão, de forma crescente, constituindo o mundo contemporâneo, de tal forma que qualquer distinção entre “real” e “irreal” torna-se impossível.

Em recente entrevista por ocasião da morte de Baudrillard, o importante pensador da pós-modernidade e crítico da globalização, Zygmunt Bauman, destacou a importância do conceito de simulacro entre tantos outros trabalhados por Baudrillard. Concordo com ele. Na verdade é um conceito central que configura-se como uma axiomática geral coordenadora do pensamento baudrillardiano sobre a sociedade-cultura contemporânea. Isto se evidencia no momento em que, para Baudrillard, a reprodução do real acontece em qualquer esfera do sistema. Tudo se tornou um simulacro: o mundo do trabalho, o capital, a etnologia, o teatro, a arte, a pedagogia, a psiquiatria, a política, o sexo, etc.. Como ele concluiu em “simulacros e simulações”: “tudo se metamorfoseia no seu termo inverso para sobreviver na sua forma expurgada.Todos os poderes, todas as instituições falam de si próprios pela negativa, para tentar, por simulação de morte, escapar à sua agonia real”.

Portanto, vivemos em uma nova fase da história, em um novo mundo organizado em torno de simulacros e simulações, no qual somos alcançados, ininterruptamente pelo jogo de simulacros, o que transforma radicalmente nossas experiências de vida, destrói os sentidos e as significações, e esvazia completamente o conceito de realidade. Sob este aspecto, Baudrillard destaca como força constitutiva por excelência do jogo de simulacros, os meios de comunicação. Ele enfatiza que “temos que pensar nos medias como se fossem, na órbita externa, uma espécie de código genético que comanda a mutação do real em hiper-real”.

Em seu livro “A transparência do mal”, reafirmou que as novas tecnologias de informação, comunicação e entretenimento, confrontam o indivíduo cotidianamente com a hiper-realidade, o que acaba gerando mais angústias, dúvidas e medos. Neste mundo hiper-real das profundas revoluções tecnológicas, Baudrillard nos deixou complexas interrogações, como por exemplo: “sou um homem ou uma máquina?”; “sou um homem ou um clone virtual?”; “como podemos ser humanos?”. Suas respostas se encaminham no sentido da constituição da imensa rede de simulacros.

Em sua perspectiva, o ciberespaçotempo constitui-se como um terreno cibernético que além de minar a distância entre o metafórico e o real, subordina totalmente os indivíduos. Sob seu ponto de vista, não estamos preparados para o grau de desenvolvimento a que chegou o sistema tecnocientífico, e ao buscarmos mais informação e comunicação acabamos agravando nossa relação com a incerteza. Foi categórico: “a revolução contemporânea é a da incerteza”.

Nas análises sobre os meios de comunicação, Baudrillard sempre deu destaque especial à televisão, a qual, segundo ele, através da produção exagerada de imagens, signos e mensagens, originou o “mundo simulacional” (ou, uma sucessão infinita de simulações que neutralizam umas às outras), que está intimamente relacionado com os significantes desconexos e com uma realidade totalmente estetizada no qual há uma perda da noção de realidade concreta. Neste mundo, as técnicas para produzir ilusões são sofisticadas (exemplo, a realidade virtual), através delas os indivíduos mudam de código muito rapidamente, anulando toda e qualquer relação com o passado.

O poder de dominação, de fascínio, de hipnotização da televisão sobre os indivíduos, é expresso em seu dizer irônico que “a imagem do homem sentado, contemplando num dia de greve sua tela de televisão vazia, constituirá no futuro uma das mais belas imagens da antropologia de nosso século”. Entendia os meios de comunicação de massa como veículos do fascínio bruto do ato terrorista, ou seja, na medida em que caminham para o fascínio são eles próprios terroristas, são manipuladores em todos os sentidos (uma vez que carregam consigo o sentido e o contra-sentido). Afirmou sem impossível encontrar um bom uso dos media, em suas palavras: “ele não existe”.

A multiplicação da quantidade de sinais e espetáculos pelos meios de comunicação, produz uma proliferação do que ele chamou de “sinal-valor” (uma “economia política do signo” – expressão que nomeia outra importante obra de Baudrillard), ou seja, a marca, o prestígio, o luxo e a sensação de poder tornam-se uma parte crescentemente importante do artigo de consumo e não somente seu “valor de uso” ou “de troca” (como na teoria Marxista). Chegamos assim ao que considero como o enfoque principal do pensamento de Baudrillard. A inter-relação de seus conceitos, reflexões e obras em torno, não somente da descrição (como querem muitos), mas também de uma crítica sem concessões ao processo de consumo contemporâneo.

Na obra “A sociedade de consumo”, destaca que a característica de nossa sociedade-cultura é, antes de tudo, a de ser uma sociedade-cultura de consumo (idéia retomada em todos os seus escritos), que reduz o indivíduo à condição de consumidor como conseqüência da automatização do sistema de produção. Defendia que era impossível negar que nos dias atuais existe uma dinâmica de consumo diferente, que entre outras coisas pode ser representada através de seu slogan de que “já não consumimos coisas, mas somente signos”. Na “época do signo”, produz-se, simultaneamente, a mercadoria como signo e o signo como mercadoria.

Para ele, a transformação da mercadoria em signo foi o destino do capitalismo no século XX, e o objetivo desta sociedade-cultura é apresentar, cada vez mais, um grande número de signos novos, imagens e experiências para que o indivíduo deseje e consuma. Nesta direção, condenou o processo de estetização de todas as coisas que ocorre na atual fase do capitalismo, pois como dizia, “até o mais marginal, o mais banal, o mais obscuro estetiza-se”. Deixou transparecer que entendia a publicidade como a arte oficial do capitalismo, uma vez que todas as formas atuais de atividade voltam-se e esgotam-se nela. Por isto a forma publicitária impôs-se e desenvolveu-se à custa de todas as outras linguagens.

Baudrillard também salientou que os códigos e modelos de marketing e lógica semelhantes geraram uma produção infinita e instável de estilos de vida, dissolvendo-se assim o objeto antigamente conhecido como sociedade; as estruturas sociais de classe, gênero e etnia são reduzidas a imagens do social e vividas através do meio imagístico do estilo de vida. A estetização que fascina, manipula desejos e gostos e impulsiona na direção do consumo, apresenta a falsa idéia de que nas práticas consumistas está a resolução dos problemas da vida, bem como a transformação da insignificância do mundo. Observou que os “meios realizadores” estão sempre em coisas diferentes às expectativas geradas, e, ainda segundo ele, pode ser até que atendam satisfações mais superficiais, mas jamais aspectos profundos da vida humana como geralmente propõem.

Sob este aspecto Baudrillard radicalizou ao desenvolver a idéia que os indivíduos, imersos nas práticas e relações de consumo, não combatem nem condenam, mas exploram ao máximo as tendências figuradas, as sensações imediatas, as experiências ardentes e isoladas, as intensidades da sociedade-cultura de consumo e, sem procurar significados coerentes, obtém prazer estético nestas intensidades superficiais.

Tendo por base as relações político-econômicas e socioculturais contemporâneas, constato e concordo com as idéias de Baudrillard sobre uma sociedade-cultura de simulacros e simulações; sobre o privilégio dado pelo capitalismo pós-moderno à produção de signos e imagens ao invés das próprias mercadorias; sobre a desestabilização da noção original das coisas e das ilusões culturais empreendidas pela publicidade, pela mídia e pelas técnicas de exposição dos produtos; também concordo que o consumismo está moldando as relações entre os indivíduos na pós-modernidade.

O grande problema para mim com o “teórico do simulacro” é que, seus argumentos para tornar preponderante a sua hipótese do objeto-signo, giram em torno da dominação total e negatividades das novas tecnologias e da televisão, e os indivíduos são reduzidos à condição de consumidores passivos. A partir destas idéias, Baudrillard faz uma leitura do social em “À sombra das maiorias silenciosas”, que pode ser entendida como pessimista e determinista.

Ao caracterizar o social como um amontoado confuso, diz que este social não é nada, apenas “massas”, para então concluir que as “as massas absorvem toda a eletricidade do social e do político e as neutralizam, sem retorno. Não são boas condutoras do político, nem boas condutoras do social, nem boas condutoras no sentido geral...Elas são a inércia, a força da inércia, a força do neutro”. Enfim, não passam de “buracos negros - uma de suas metáforas preferidas para caracterizar as “massas” – em que o social se precipita”. Sobre esta leitura, Fredric Jameson disse que a compreensão de Baudrillard com relação às seduções do mercado era “dramática e paranóico-crítica”.

Faltou a este grande pensador, admitir e trabalhar as possibilidades de uma semiótica crítica que desvela as dimensões ocultas da hiper-realidade permitindo uma desconstrução do regime dos signos.

Com suas leituras e re-leituras do capitalismo de consumo, Baudrillard passou a ocupar um lugar de destaque entre os teóricos do contemporâneo. Sua análise sobre a sociedade-cultura atual, ancorada na relação simulacro-estetização da realidade-consumismo, influenciou os trabalhos de marxistas pós-modernos-críticos como Fredric Jameson e David Harvey, não obstante as diferenças teóricas e políticas. Porém não se engane o leitor, Baudrillard não era pós-moderno, muito menos “um dos pais da pós-modernidade” como muitos diziam e como foi difundido pelos recentemente pelos meios de comunicação. Repudiava a pós-modernidade como algo vazio, totalmente sem sentido, pois para ele era um campo aberto para qualquer coisa.

Paradoxalmente, suas idéias, conceitos e teorias (construídas desde os anos 60, e expressas em cerca de 50 obras), juntamente com as de Jean-François Lyotard e Fredric Jameson, tornaram-se indispensáveis nas análises, debates e entendimentos sobre a teoria e condição pós-modernas. Na verdade era conhecido como um pensador que rejeitava consensos e rótulos, não aceitando também que classificassem sua crítica de pessimista.

Seu estilo intelectual foi marcado pela ironia, e defendia que o emprego da ironia, do inverso, da falha, da reversibilidade, era a única verdadeira função intelectual (estilo pós-moderno?). Não agradou os conservadores colegas, os quais procuravam-lhe desqualificar com os mesmos adjetivos com que ele rejeitava a pós-modernidade. O certo é que seu arcabouço teórico desconstruiu velhas categorias, velhos conceitos e suas distinções (afirmando sobre a impossibilidade de sustentação dos mesmos), e com seu pensamento interdisciplinar ignorou fronteiras e hierarquias que ainda insistem em se manter no contexto universitário e educacional.

Baudrillard morreu no dia 06 deste mês. Também era fotógrafo, e justificava sua forma de escrever fragmentada como sendo pequenos retratos do mundo. Para quem não consegue “ler” suas fotografias, ou não entende seus “enquadramentos”, ou assim como eu, não curte suas “cores” demasiadamente fortes, atente para o seu princípio: “já que o mundo se encaminha para um delirante estado de coisas, devemos nos encaminhar para um ponto de vista delirante”.

Simulacros e Simulações I

"É sempre uma questão de provar o real através do imaginário, de provar a verdade pelo escândalo, de provar o trabalho por intermédio da greve, de provar o capital pela revolução" (BAUDRILLARD).

A autenticidade ou a origem: duvidosas; a reprodução do real é perfeita, e na maioria das vezes melhor - o conjunto é trabalhado com talento, "aparentemente" não deixa nada a desejar. Os detalhes? Isto interessa a alguém? Falta "consciência crítica" para perceber, pois somente ela faz uma leitura profunda e questionadora dos mesmos.K.MARX, sobre isto acertou no alvo: "a ideologia faz a consciência perder a autonomia". J.BAUDRILLARD fundamenta sob este aspecto da ideologia, o segundo estágio da representação, no qual a realidade é pervertida e mascarada. Desta forma, o consumo está garantido; a consciência direcionada paga pela falsificação, mas tem a certeza de uma aquisição autêntica.

Análise cartesiano-iluminista (verdade = autenticidade), dirão os pós-modernos de carteirinha ( e, levando a discussão exclusivamente para o campo das artes, o espaço aqui seria muito pequeno) , mas W.BENJAMIN não concorda com a crítica, e ao trabalhar a questão em "A Obra de Arte na Época da Reprodutibilidade Técnica", influenciará demais BAUDRILLARD (tido como o teórico do regime do simulacro), e F.JAMESON quando este analisa o capitalismo multinacional e fala sobre a "cultura sem profundidade". É sem profundidade não só, mas também porque nela não existe mais a distinção entre alta-cultura e cultura de massa. Consequência direta da reprodução, a qual ao simular o real, dá acesso ilimitado, através do falso. E o referente? MARX e ENGELS respondem (relembrados por M.BERMAN):"tudo que é sólido desmancha no ar". Junto com o referente diluiu-se também a linha que demarcava real/irreal; autêntico/falso; original/cópia; em suma: verdade/mentira.

Como estamos no quarto estágio da representação, a "hiper-realidade" a tudo falsifica na época pós-moderna.No que tange a cultura ,o simulacro coloca-a como uma esfera de completa autonomia, e nela são jogados os sujeitos descentrados, os quais devido ao acúmulo de imagens e simulações possuem apenas uma experiência a compartilhar, que é "a alucinação desestabilizada e estetizada da realidade"(BAUDRILLARD).

No domínio da política, a simulação é total. Os políticos abandonam por alguns instantes o preconceito, e a maquiagem esconde rugas e o cansaço das caravanas. Isto é o mínimo; o pior vai acontecer agora na tela, no tradicional comício, e nas visitas às favelas: muito "pó de arroz" no discurso que apresenta um programa perfeito; a definição ideológica, melhor ainda. Através de um estofo, especialmente colorido, Estado, classe e poder são coisas "autênticas". O público, não é cego nem surdo, mas as vezes fica mudo, e até aplaude a "originalidade" do espetáculo. É S.CONNOR quem chama atenção: "todas as respostas são pré-programadas, igualmente disponíveis e podem ser ativadas de imediato". Portanto, cuidado. No mundo dos simulacros, tudo é uma questão de provar a política pela "falsa política"; de provar o programa político e os discursos, pela "falsa promessa"...

Se hoje o conceito de arte está ampliado, é uma arte desvendar os simulacros.

Cyberpunk

Bruce Sterling

em 26/4/2005

"Um arrastão de significados", copyright Folha de S. Paulo, 24/04/05


"Costumávamos depender dos filósofos para colocar o mundo em ordem. Hoje temos os arquitetos da informação. Mas eles não estão fazendo o trabalho -nós estamos.

Está acontecendo uma revolução na arte e ciência da categorização, e seu nome é ‘folksonomy’ [algo como ‘gentenomia’], termo inventado pelo arquiteto da informação Thomas Vander Wal. A ‘folksonomy’ se parece com a taxinomia, a maneira tradicional de impor uma estrutura à pujante confusão da realidade crua. Por exemplo, o ser humano conhecido como Thomas Vander Wal poderia ser taxinomizado como reino Animalia, filo Chordata, subfilo Vertebrata, classe Mammalia, subclasse Eutheria, ordem Primata, subordem Haplorini, família Hominidae, gênero Homo, espécie sapiens.

Isso é exato, e os especialistas concordam em que é verdadeiro. Infelizmente, para usar plenamente esse esquema, você precisaria ter estudado anatomia comparativa e latim.

Uma ‘folksonomy’, por outro lado, surge espontaneamente enquanto os usuários da internet encontram uma informação, pensam no que ela significa e a rotulam com palavras descritivas. Então um software torna a informação acessível por meio de uma simples busca por palavra-chave. Os resultados não são definitivos ou científicos, mas podem ser muito úteis.

Entre no Google e digite ‘Thomas Vander Wal’. Pronto! A máquina de busca habilmente rastreia as páginas da web ligadas a esse nome, e em pouco tempo você pode saber não apenas sobre ele mas sobre as pessoas que se importam em elogiá-lo ou condená-lo na rede. Quem fez o trabalho pesado? Certamente não foram taxinomistas inteligentes navegando a corredeira de efemeridades da internet. Foi um bando de pessoas interessadas -’folks’, ou gente- e máquinas trabalhando nos bastidores que acrescentaram um pouco de ‘nomia’ tecnológica.

A ‘folksonomy’ surge de uma combinação de duas invenções: 1) máquinas capazes de automatizar, pelo menos em parte, o que é necessário para classificar a informação; e b) um software social que torna os usuários dispostos a fazer pelo menos parte do trabalho em troca de nada. Você perceberá que ‘1’ e ‘b’ realmente não combinam.

A ‘folksonomy’ é assim. Uma pitada de trabalho gratuito e um punhado de classificação mecânica o levarão de ‘1’ a ‘b’. Os exemplos estão proliferando, como os sites de ‘bookmarking’ social del.icio.us, furl.net e jots.com.

O serviço de compartilhamento de fotos Flickr domina o poder da ‘folksonomy’ para organizar uma poderosa torrente de imagens que fluem de câmeras digitais, telefones e PDAs [computador pessoal portátil] do mundo todo. O princípio é simples: é entediante nomear ou descrever os zilhões de fotografias particulares que você tira todo ano, mas esse trabalho é muito menos oneroso para pessoas que gostam de navegar pelas fotos on-line.

Processo democrático

Assim, o Flickr divide o mundo em categorias ‘populares’, que realmente interessam ao público on-line. Na ‘Flickrland’, o mundo é composto de arquitetura, praias, telefones-câmeras, cachorros, Europa, amigos, lua-de-mel e assim por diante. Ninguém inventou esse esquema, e o melhor é que é um processo constante e democrático. É um produto da interação de grupo, como pegadas deixadas numa área virgem por uma manada de bisões.

A ‘folksonomy’ é quase inútil para procurar informação específica e acurada, mas isso não interessa. Ela oferece um comportamento de rebanho muito barato e assistido por máquinas; senso comum ao quadrado; uma corrida às nascentes da semântica. É como se você jogasse um caiaque em um rio agitado e deslizasse não apenas pelas páginas da web mas também por rótulos, conceitos e idéias.

Isso não o levará a informações específicas, mas é novo e fascinante. Além disso, é nativo da web. O Flickr inventou uma máquina de grudar globos oculares -uma imensa projeção de slides na qual você pode colar seus olhos no que outras pessoas poderiam chamar de ‘gelo’, ‘fogo’ ou ‘sexy’.

Resta ver se as ‘folksonomys’ vão implodir sob o peso do enorme número de usuários ou vão sucumbir aos ataques malignos de parasitas e larápios. Nesse caso, a criação de taxinomias desestruturadas provavelmente se afastará dos usuários humanos em direção às máquinas; um software vai rastejar sobre cada imagem da web, contar o tom e a intensidade de cada pixel, tirar vagas pistas das estatísticas de tráfego e classificar a bagunça.

Máquinas escrupulosas

Os computadores não ‘sabem’ o que as imagens significam, mas eles nunca desistem, trabalham 24 horas por dia e não são tão inescrupulosos quanto as pessoas.

Em última instância, nenhum cérebro humano, nenhum planeta cheio de cérebros humanos, poderia catalogar o oceano escuro e em expansão de dados que produzimos.

Em um futuro de informação auto-organizada pela ‘folksonomy’, poderemos nem ter palavras para o tipo de classificação que estará ocorrendo; como as verificações matemáticas com 30 mil etapas, ela poderá estar além da compreensão. Mas permitirá buscas vastas e incrivelmente poderosas. Não surfaremos mais com as máquinas de busca. Faremos arrastão com as máquinas de significado.

Bruce Sterling é um dos principais escritores norte-americanos de ficção científica. É autor de ‘Reflexos do Futuro’ (Livros do Brasil), ‘Mirrorshades’ (Ace Books), entre outros. Este texto foi publicado na ‘Wired’. Tradução de Luiz Roberto M. Gonçalves."

domingo, 3 de maio de 2009

Uma Hipocrisia Revelada

A Crise Segundo a Escola Austríaca

Rodrigo Constantino

“Toda a manipulação monetária do mundo não pode desafiar os limites
impostos sem misericórdia pela realidade.” (Thomas Woods Jr.)

Diante da grande crise que assola o mundo no momento, todos preferem culpar
o capitalismo e o livre mercado, em vez de mergulhar realmente a fundo nas
raízes do problema. À contramão desta tendência majoritária, Thomas Woods
Jr., do Mises Institute, escreveu um excelente livro onde demonstra que o
governo tem suas digitais em todas as cenas do crime. Em Meltdown, Woods
resume a teoria austríaca de ciclos econômicos, e explica porque o colapso
dos mercados foi causado pelo governo, não pelo livre mercado. Ele mostra
ainda que as reações do governo não só erram o alvo e deixam de resolver os
problemas, como acabam agravando a situação.

As mesmas pessoas que ajudaram a criar a bagunça atual estão posando hoje
como especialistas capazes de mostrar os caminhos da salvação. Os membros
do governo, incluindo os economistas do Federal Reserve, apontam o dedo
para os abusos da iniciativa privada como se não fossem os principais
causadores desses abusos. Culpar a “ganância” dos investidores é como
culpar a gravidade pela queda de um avião. Ignora-se que a tal “ganância”
sempre esteve presente e que, portanto, a explicação para a bolha deve
estar em outro lugar. Este lugar é o próprio governo, principalmente seu
braço “independente”, o banco central com monopólio na emissão de moeda.

Tom Woods aponta as várias formas de intervenção estatal na economia, que
sem dúvida ajudaram a ampliar os problemas. Como exemplo, ele cita a Fannie
Mae e Freddie Mac, as semi-estatais financiadoras de hipotecas, que
contavam com inúmeros privilégios do governo, assim como uma forte pressão
para que estendessem o crédito para as classes mais baixas. Os governos,
tanto Democrata como Republicano, sempre incentivaram de forma populista a
“casa própria”, ignorando que nem todos estão em condições econômicas de
arcar com uma hipoteca. Diversas medidas estatais buscaram estimular as
hipotecas mais arriscadas, no epicentro da crise. Mas Woods lembra que
todas essas intervenções governamentais – que não foram poucas – não chegam
perto do poder de estrago que tem o Fed. O principal alvo do ataque de
Woods é o banco central americano.

O Federal Reserve System foi criado por um ato do Congresso em 1913, seu
presidente é escolhido pelo governo, e conta com privilégios de monopólio
sobre a moeda. Em suma, o Fed está calcado em princípios diametralmente
opostos àqueles do livre mercado. Ele é um agente de planejamento central
econômico, só que em vez de planejar a produção de bens, como fazia a
Gosplan comunista, ele planeja a taxa de juros, com conseqüências que
reverberam por toda a economia. Segundo Woods, esta manipulação das taxas
de juros, mantidas artificialmente baixas por tempo demais, foi justamente
a mais importante causa da crise atual. “O Fed é o elefante na sala que
todos fingem não notar”, ele diz.

Após a crise da Internet, já ela uma bolha instigada pelo Fed, e o ataque
de 11 de Setembro, Alan Greenspan, o então presidente do Fed, decidiu usar
suas ferramentas para estimular a economia e evitar os necessários ajustes.
A taxa de juros determinada pelo Fed foi reduzida para 1% ao ano, e assim
permaneceu por um ano inteiro. A oferta de dinheiro foi aumentada
drasticamente durante estes anos, e mais dólares foram criados entre 2000 e
2007 do que em todo resto da história da república americana. O dinheiro
barato atrai muitas pessoas para a especulação financeira, incluindo leigos
que não entendem do assunto. O sonho de ficar rico rapidamente conquista
muita gente. Em uma atmosfera de preços em alta e prosperidade geral, com
taxas de juros artificialmente baixas, fica complicado separar o joio do
trigo, saber quais projetos são sustentáveis e quais não passam de filhotes
da bolha.

Após o estouro da bolha do Nasdaq, as atenções se voltaram para o setor de
casas. Alguns tentam explicar os ciclos com base em “manias”, mas estas
podem apenas escolher o ativo da moda, e não oferecer os recursos
artificiais que bancam a festa, i.e., o crédito criado pelos bancos com o
estímulo do Fed. A nova mania foi então especular com casas. Muitos
começaram a acreditar que havia uma única direção para seus preços, e que o
ganho era líquido e certo. Eles usavam suas casas como caixas automáticos
para obter crédito e gastar. Eles compravam casas sem colocar um centavo de
capital próprio, contando apenas com a elevação contínua dos preços. Eles
contavam com o incentivo do governo, tanto em medidas diretas como no
grande estímulo monetário do Fed.

O que Tom Woods questiona é porque ainda levam tão a sério as previsões dos
mais poderosos governantes, se eles foram totalmente incapazes de antecipar
a crise que ajudaram a criar. Ben Bernanke, o atual presidente do Fed,
disse em maio de 2007 que não esperava significante contágio do mercado de
hipoteca subprime para o resto da economia ou o sistema financeiro. É para
este homem que vamos entregar o poder absoluto de controlar a emissão de
moedas? O então Secretário do Tesouro, Henry Paulson, falou em março de
2007 que a economia global estava mais forte que nunca, e que as
instituições financeiras eram sólidas. Um ano depois, em março de 2008, ele
acrescentou que os bancos estavam muito bem, e que permaneceriam sólidos
por muitos e muitos anos. Devemos confiar nesses profetas?

Infelizmente, no setor público os erros costumam ser recompensados com mais
poder e verbas, ao contrário do que ocorre no livre mercado. De fato, após
previsões tão absurdas e medidas que agravaram a crise, Paulon e Bernanke
demandaram mais recursos e poderes, sendo prontamente atendidos. Pacotes de
trilhões de dólares foram aprovados às pressas, enquanto os principais
governantes davam demonstrações claras de que não tinham a menor idéia do
que fazer de fato para resolver os problemas. O Secretário Paulson mudou
publicamente de idéia algumas vezes, e demonstrou enorme arbitrariedade em
suas decisões, aumentando as incertezas do mercado num delicado momento de
crise. A confiança depende de certa estabilidade e previsibilidade,
justamente o que o governo não mostrou.

Se antes os bancos eram acusados de emprestar muito agressivamente, agora
eram acusados de muito conservadorismo. Se os americanos eram acusados de
consumismo irresponsável, agora demandavam mais gastos deles. E o próprio
governo, que tanto pregou a luta por casas mais acessíveis, estava agora
fazendo de tudo para evitar a queda nos preços das casas. Para onde foi a
meta de casas acessíveis? Woods questiona se algum traço de pensamento
racional ainda pode ser encontrado em meio a tanta insanidade.

Em uma economia dinâmica de livre mercado, com um futuro sempre incerto,
empresários irão errar em suas apostas com freqüência. Mas quando todos
erram ao mesmo tempo, alguma outra explicação deve existir. Eis onde entra
a teoria austríaca de ciclos econômicos, exposta principalmente por Mises e
Hayek, que aponta para a interferência do banco central nas taxas de juros
como principal explicação para os ciclos de expansão acelerada e queda
abrupta na economia. A taxa de juros “natural”, ou de equilíbrio, coordena
a produção no decorrer do tempo, dependendo da poupança real existente e da
demanda por novos investimentos. Se o Fed manipula esta taxa, ele acaba
gerando uma ruptura na coordenação econômica em grande escala.
Investimentos que seriam normalmente desvantajosos acabam parecendo
rentáveis. Os agentes econômicos são levados a crer que agora é um bom
momento para se investir no longo prazo.

Muitos recursos são drenados para investimentos ruins, principalmente em
produtos intermediários, como bens de capital. Estes recursos não são
provenientes de uma poupança efetiva, mas sim do crédito criado por bancos
que atuam sob o regime de reservas fracionárias, podendo multiplicar o
crédito em relação aos depósitos que recebem. Com o passar do tempo, as
empresas vão descobrir que faltam recursos para terminar seus projetos,
pois os fatores complementares de produção encontram-se escassos. As
empresas precisam tomar mais dinheiro emprestado para finalizar seus
investimentos. Alguma hora, o castelo de cartas irá ruir.

Mises faz uma analogia entre uma economia sob a influência de taxas de
juros artificialmente baixas e um construtor que erroneamente acredita que
tem mais recursos, como tijolos, do que realmente tem. Ele irá construir
uma casa com proporções diferentes do que se soubesse a verdadeira oferta
disponível de tijolos. Em algum momento, ele irá descobrir que faltam
tijolos para ele completar sua casa. Quanto mais rápido ele descobrir isso,
melhor, pois ele poderá fazer os ajustes necessários com menor dano. Se ele
descobrir muito tempo depois, ele poderá ser forçado a destruir quase toda
a casa, ou simplesmente abandoná-la inacabada. O resultado de uma política
frouxa de juros, que joga a taxa abaixo de seu patamar “natural”, acaba
sendo similar para a economia como um todo. Uma série de “malinvestiments”
irá desviar recursos escassos para destinos indesejáveis. A farsa não pode
durar para sempre, e logo ficará claro que o rei está nu.

Como disse Hayek, combater essa depressão inevitável com mais expansão
forçada de crédito é tentar curar o mal pelos mesmos meios que o criaram.
No entanto, esta é justamente a receita keynesiana, tão em moda apesar de
seus fracassos no passado. A recessão é a fase necessária de ajuste, onde a
realidade precisa ser enfrentada. A estrutura de produção precisa ser
refeita com base nos dados reais e sustentáveis, ofuscados pela euforia
artificialmente criada pelo Fed. É como um bêbado que precisa enfrentar a
ressaca para ficar sóbrio. Os keynesianos querem oferecer mais e mais
bebida, para “curar” o porre mantendo o indivíduo bêbado. Claro que esta
política é insustentável. Ela não apenas posterga o ajuste necessário, como
agrava a situação.

As soluções “mágicas” apresentadas pelos keynesianos passam sempre por dar
mais veneno para a vítima. Embriagados com estatísticas de dados agregados,
esses economistas parecem ter perdido qualquer contato com o bom senso.
Eles acham que o governo pode gastar do nada para sair da crise, mantendo a
produção nominal do país. Eles parecem confundir papel moeda com riqueza.
Tirar da economia como um todo para gastar em setores específicos, eis a
fórmula mágica para criar riqueza! Robert Higgs comparou este plano com
aquele onde alguém tira água da parte mais funda da piscina e coloca na
parte rasa, esperando que o nível geral da água vá subir. Essa foi a reação
tanto na Grande Depressão, cujo New Deal postergou a recuperação, como na
crise do Japão, que ficou estagnado por duas décadas. Impedir os ajustes
necessários e injetar mais recursos na economia não resolve nada, muito
pelo contrário. É o que explica a teoria austríaca, e o que a história
ilustra.

Mas muitos mitos acabam prevalecendo, e a verdade permanece ignorada pelo
público. A versão “oficial” da história repete que a Grande Depressão foi
causada pelo livre mercado e que o New Deal salvou o capitalismo de si
próprio. O Prêmio Nobel Paul Krugman, um dos maiores defensores do
intervencionismo como solução para a crise, chegou a afirmar que a Segunda
Guerra Mundial salvou a economia americana, oferecendo o estímulo fiscal
necessário para as necessidades econômicas. Esta falácia absurda continua
sendo disseminada entre os leigos, como se guerra realmente pudesse criar
prosperidade. Se gastos militares criassem riqueza de fato, então os
Estados Unidos e o Japão poderiam ambos construir uma enorme e poderosa
frota naval, encontrar-se no Pacífico, e afundar cada um os navios do
outro. Então poderiam celebrar como estavam mais ricos desviando recursos
escassos, como trabalho e aço, tudo isso para terminar no fundo do oceano.
Como afirma Woods de forma ácida, qualquer um que acredita em um absurdo
desses, de que guerra traz prosperidade, pertence a um sanatório, ou então
ao editorial do New York Times. Foi Mises quem acertou novamente, ao
afirmar que a prosperidade da guerra é como a prosperidade que um terremoto
ou uma praga trazem.

De forma geral, para uma sociedade consumir, ela antes deve produzir. É
justamente essa realidade inexorável que incomoda tantos políticos e
economistas. Eles gostariam de burlar esta lei natural, e para tanto contam
com os incríveis poderes do Fed. Mas, como diz a frase da epígrafe, nenhuma
manipulação pode desafiar a realidade por muito tempo. A bolha artificial
precisa estourar cedo ou tarde. Melhor que seja cedo, pois causa menos
estrago. E quando o governo tenta solucionar os problemas mirando em seus
resultados, em vez de focar nas causas, ele apenas joga mais lenha na
fogueira. Em vez disso, como sugere Woods, o governo deveria permitir os
ajustes necessários. Ele deveria deixar as empresas quebrarem, para que o
capital possa o mais rápido possível ser realocado para setores e empresas
mais eficientes. Recompensar prejuízos com pacotes de resgate apenas
incentiva mais erros, criando um enorme moral hazard. Além disso, o governo
deveria reduzir drasticamente seus gastos, em vez de aumentá-los. Desta
forma, os recursos retornariam para as atividades criadoras de riqueza no
setor privado. Por fim, o Fed deveria ser abolido. Muitos condenam o livre
mercado pela crise, mas Woods pergunta: o que há de livre mercado na
manipulação pelo governo do item mais importante na economia? Capital,
afinal de contas, costuma ser um ingrediente bastante relevante no
capitalismo.

Quem defende o livre mercado não pode defender o monopólio do governo
justamente na emissão de moeda e controle da taxa de juros. Se dinheiro é o
sangue da economia, que leva recursos para os destinos mais produtivos,
como defender o planejamento central na questão monetária? Tom Woods
conclui que os defensores do livre mercado não têm mais escolha: eles
precisam considerar a Escola Austríaca, que oferece a única posição
intelectualmente coerente de livre mercado diante da presente crise.



Entrevista: http://www.youtube.com/watch?v=qSNRvqglW7Q

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Ah, as Francesas

Adventure of a Speck of Dust

Future Primitive

por John Zerzan

Division of labor, which has had so much to do with bringing us to the present global crisis, works daily to prevent our understanding the origins of this horrendous present. Mary Lecron Foster (1990) surely errs on the side of understatement in allowing that anthropology is today "in danger of serious and damaging fragmentation." Shanks and Tilley (1987b) voice a rare, related challenge: "The point of archaeology is not merely to interpret the past but to change the manner in which the past is interpreted in the service of social reconstruction in the present." Of course, the social sciences themselves work against the breadth and depth of vision necessary to such a reconstruction. In terms of human origins and development, the array of splintered fields and sub-fields- anthropology, archaeology, paleontology, ethnology, paleobotany, ethnoanthropology, etc., etc. - mirrors the narrowing, crippling effect that civilization has embodied from its very beginning.

Nonetheless, the literature can provide highly useful assistance, if approached with an appropriate method and awareness and the desire to proceed past its limitations. In fact, the weakness of more or less orthodox modes of thinking can and does yield to the demands of an increasingly dissatisfied society. Unhappiness with contemporary life becomes distrust with the official lies that are told to legitimate that life, and a truer picture of human develop- ment emerges. Renunciation and subjugation in modern life have long been explained as necessary concomitants of "human nature." After all, our pre-civilized existence of deprivation, brutality, and ignorance made authority a benevolent gift that rescued us from savagery. "Cave man" and `Neanderthal' are still invoked to remind us where we would be without religion, government, and toil.

This ideological view of our past has been radically overturned in recent decades, through the work of academics like Richard Lee and Marshall Sahlins. A nearly complete reversal in anthropological orthodoxy has come about, with important implications. Now we can see that life before domestication/agriculture was in fact largely one of leisure, intimacy with nature, sensual wisdom, sexual equality, and health. This was our human nature, for a couple of million years, prior to enslavement by priests, kings, and bosses.

And lately another stunning revelation has appeared, a related one that deepens the first and may be telling us something equally important about who we were and what we might again become. The main line of attack against new descriptions of gatherer-hunter life has been, though often indirect or not explicitly stated, to characterize that life, condescendingly, as the most an evolving species could achieve at an early stage. Thus, the argument allows that there was a long period of apparent grace and pacific existence, but says that humans simply didn't have the mental capacity to leave simple ways behind in favor of complex social and technological achievement.

In another fundamental blow to civilization, we now learn that not only was human life once, and for so long, a state that did not know alienation or domination, but as the investigations since the '80s by archaeologists John Fowlett, Thomas Wynn, and others have shown, those humans possessed an intelligence at least equal to our own. At a stroke, as it were, the `ignorance' thesis is disposed of, and we contemplate where we came from in a new light.

artigo completo aqui