segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Os Axiomas de Zurich

táticas de operação intraday do pessoal de Zurich
DO RISCO - Preocupação não é doença, mas sinal de saúde. Se você não está preocupado, não está arriscando o bastante.
DA GANÂNCIA - Realize o lucro sempre cedo demais.
DA ESPERANÇA - Quando o barco começar a afundar, não reze. Abandone-o.
DAS PREVISÕES - O comportamento do ser humano não é previsível. Desconfie de quem afirmar que conhece uma nesga que seja do futuro.
DOS PADRÕES - Até começar a aparecer ordem, o caos não é perigoso.
DA MOBILIDADE - Evite lançar raízes. Elas tolhem seus movimentos.
DA INTUIÇÃO - Só se pode confiar num palpite que possa ser explicado.
DA RELIGIÃO E DO OCULTISMO - É improvável que entre os desígnios de Deus para o Universo se inclua o de fazer você ficar rico.
DO OTIMISMO E DO PESSIMISMO - Otimismo significa esperar o melhor, mas confiança significa saber como se lidará com o pior. Jamais faça uma jogada por otimismo apenas.
DO CONSENSO - Fuja da opinião da maioria. Provavelmente está errada.
DA TEIMOSIA - Se não deu certo da primeira vez, esqueça.
DO PLANEJAMENTO - Planejamentos a longo prazo geram a perigosa crença de que o futuro está sob controle. É importante jamais levar muito a sério os seus planos a longo prazo, nem os de quem quer que seja.

domingo, 30 de dezembro de 2007

Em linhas gerais

Platão desenvolveu a noção de que o homem está em contato permanente com dois tipos de realidade: a inteligível e a sensível. A primeira, é a realidade, mais concreta, permanente, imutável, igual a si mesma. A segunda são todas as coisas que nos afetam os sentidos, são realidades dependentes, mutáveis e são imagens das realidades inteligíveis.

Tal concepção de Platão também é conhecida por Teoria das Idéias ou Teoria das Formas. Foi desenvolvida como hipótese no diálogo Fédon e constitui uma maneira de garantir a possibilidade do conhecimento e fornecer uma inteligibilidade relativa aos fenômenos.

Gracia

Pintado por Julio Romero de Torres

sábado, 29 de dezembro de 2007

No Mind

In every part and corner of our life, to lose oneself is to be gainer; to forget oneself is to be happy."
-Robert Louis Stevenson

Daily Quote on Who's Who

Do lado esquerdo do peito

Amigo é aquela pessoa que o tempo não apaga,
que a distância não esquece,
que a maldade não destrói.

É um sentimento que vem de longe,
que ganha lugar no seu coração
e você não substitui por nada.

É alguém que você sente presente,
mesmo quando está longe...
Que vem para o seu lado quando você está sozinho
e nunca nega um sentimento sincero.

Ser amigo não é coisa de um dia,
são atos, palavras e atitudes
que se solidificam no tempo
e não se apagam mais.
Que ficam para sempre como tudo que é feito
com o coração aberto.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Penso, logo existo

Residents of Minneapolis and Seattle are the most bookish and well-read, according to results from a new survey released today of the most literate American cities.

Fonte: Yahoo News

O que me teve atenção nessa notícia foram os 2 adjetivos juntos, o bookish e o well-read. Quão interessante pro sujeito é esse resultado qualitativo! Pena que a inteligentsia nacional ainda não estruturou o parque de softwares e a programação para tempo compartilhado num nível mais integrante. Nem tenha uma plataforma decente, nem uma inclusão patrimonialista.

All or nothing at All

War in Rio, o jogo

A impunidade banaliza a violência que a injustiça social patrocina - e a passividade mantém tudo em seu lugar. Usar de irreverência para discutir assuntos sérios é uma estratégia de atingir mais pessoas, e de mobilizar os meios de comunicação para debater o que não deve ser apenas noticiado.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Há 2.500 anos atrás

"- E que acontece quando um homem se dedica com assiduidade à Ginástica e à boa mesa, olvidando o estudo da Filosofia e da Música? Não se encherá a princípio de coragem e de orgulho, cônscio do seu bem-estar físico, e não se tornará mais valente do que era antes?
- Com efeito.
- E que mais? Se outra coisa não faz e evita todo o comércio com as Musas, não sucederá que, por não se aplicar a nenhuma espécie de estudo ou investigação, nem poder participar de qualquer discussão ou exercício musical, aquela inteligência que por acaso possuir venha a atrofiar-se e ficar como surda e muda por falta de algo que a alimente e desperte, varrendo a névoa que lhe tolda os sentidos?
- É verdade."

Platão

.Retirado de uma comunidade do orkut chamada "adote um playboy"

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

The Elegant Universe

E=mc²

clássico, vê?

Infinito Particular...

Só quando se pergunta "a quem o Graal serve?" é que a ferida do rei pescador pode ser curada e a terra devastada recuperar a fertilidade.

It don't mean a thing if you don't have that swing

Duke Ellington


God's Delusion

"Vanguish the shadow within yourself."
-Friedrich Nietzsche

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

Eu chorei também, Nietzsche...

Saneamento Básico


Mais um bom trabalho com cara brasileira. E que o fascínio ilude, factum est.

Países Baixos

"Sou Ana do dique das docas
Da compra, da venda, das trocas, das pernas
Dos braços, das bocas, do lixo, dos vícios, das fichas
Sou Ana das loucas
Até amanhã, sou Ana
Da cama, da cana, fulana, bacana
Sou Ana de Amsterdam
Eu cruzei um oceano
Na esperança de casar
Fiz mil bocas pra Solano
Fui beijada por Gaspar
Sou Ana de cabo a tenente
Sou Ana de toda patente das Índias
Sou Ana Oriente, Ocidente, acidente, gelada
Sou Ana, obrigada
Até amanhã, sou Ana
Do cabo, do vaso, do rabo, dos ratos
Sou Ana de Amsterdam
Arrisquei muita braçada
Na esperança de outro mar
Hoje sou carta marcada
Hoje sou jogo de azar
Sou Ana de vinte minutos
Sou Ana da brasa dos brutos na coxa
Que apaga charutos
Sou Ana dos dentes rangendo
E dos olhos enxutos
Até amanhã, sou Ana
Das marcas, das marcas, das barcas, das pratas
Sou Ana de Amsterdam."

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Enki

O nome Enki, sumério, significa senhor da Terra. Os seus símbolos iconográficos eram o peixe, a cabra e a serpente, os quais foram combinados numa único animal, o mítico Capricórnio (o qual se tornou um dos doze signos do Zodíaco, cuja ideologia teve a sua base na civilização suméria).

Ô, demorou pra eu descobrir a gênese do capricórnio...

Shine on you diamond

Gaia, Melchi e Baal prestigiando o nascimento do Cristo

Star Trek

Stellarium is a free open source planetarium for your computer. It shows a realistic sky in 3D, just like what you see with the naked eye, binoculars or a telescope. It is being used in planetarium projectors. Just set your coordinates and go.

Eu, Humano

Moto embalée - Christo

In a deep deep sleep of the innocent

Radiohead - Airbag

Sin Eater

Karma Police, arrest this man, he talks in maths...

domingo, 23 de dezembro de 2007

Feliz Natal

http://www.elfyourself.com/?id=1737770402

Assim falava Zarathustra



Aúra-Masda, o único ente reconhecido como divindade no Zoroastrismo, que provavelmente foi uma das primeiras manifestações de religião monoteísta da qual se tem conhecimento, significa Senhor Sábio, a quem se credita o papel de criador e guia absoluto do universo.
Dessa divindade suprema emanam seis espíritos, os Amesas Spenta (Imortais Sagrados), que auxiliam Aúra-Masda na realização de seus desígnios: Vohu-Mano (Espírito do Bem), Asa-Vahista (Retidão Suprema), Khsathra Varya (Governo Ideal), Spenta Armaiti (Piedade Sagrada), Haurvatat (Perfeição) e Ameretat (Imortalidade).

Zarathustra na Wikipédia

Reflexologia

"Mostre-me teus pés e direi por onde andas."
-Englishman "Allstar" Andrew

Belisha beacon

Radiohead - Just

sábado, 22 de dezembro de 2007

Siddharta

“Quem me ensinou a escutar foi o rio e ele será o teu mestre também. O rio sabe tudo e tudo podemos aprender dele. Olha, há mais uma coisa que a água já te mostrou: que é bom descer, abaixar-se, procurar as profundezas. (…) Olha, não sou nenhum erudito. Não sei falar. Nem sei sequer pensar. Apenas sei escutar e ser piedoso. Outra coisa que aprendi. Se me fosse dado explicá-lo e ensiná-lo, talvez me tivesse tornado um sábio, mas assim não passo de um balseiro, ao qual sabe transportar as pessoas através do rio. Muita gente fez a travessia comigo, milhares de homens, provavelmente, para todos eles o rio representava apenas um estorvo, a atrasar a sua viagem. Andavam atrás de dinheiro ou de negócios, encaminhavam-se a casamentos, faziam peregrinações. O rio opunha-se a eles e o balseiro tinha a incumbência de ajudá-los a vencer o mais depressa possível o obstáculo. Mas houve alguns entre esses milhares, uns poucos, quarto ou cinco talvez, para os quais o rio cessou de ser um estorvo. Escutaram sua voz, prestaram atenção ao que ele dizia, e o rio tornou-se-lhes sagrado, assim como chegou a ser pra mim.”
-Herman Hesse

nunca pensei que leria isso onde encontrei hoje, mas fez bastante sentido, entretanto. se continuares insistindo na loucura serás sábia algum dia, diria eu.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Ciência

-Uh-oh, está faltando alguma coisa...

Open Source

"In a world without walls and fences, who needs Windows and Gates?"

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Terra...

Por mais distante
O errante navegante
Quem jamais te esqueceria?

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Wild Wilde

"Acreditar é monótono, duvidar é apaixonante, manter-se alerta: Eis a vida!"
Oscar Wilde.

The Healing Law of Synergetics

According to Systemic Theory of Living Systems, Healing potencial or negentropy gain is directly proportional to Synergetic Contribution (SC). SC is polynomially proportional to the number of contributive active principles (n) in a nutraceutical formula—ergo in a protocol. The Healing Law of Synergetics is thus derived: Remission in chronic degenerative diseases, Delta S >> 0, depends on (n2 + n)/2.

Mais em Synergetics, Wikipedia. Neguentropia aqui e aqui.

Hair

"White people send the black people to fight the yellow people to defend the land they stole from the red people".



segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

dos Santos

"Nunca a alheia vontade,
inda que grata,
Cumpras por própria.
Manda no que fazes,
Nem de ti mesmo servo.
Ninguém te dá quem és.
Nada te mude.
Teu íntimo destino involuntário
Cumpre alto.
Sê teu filho."
F.Pessoa.

domingo, 16 de dezembro de 2007

Je suis

"Se você acha que pode, ou que não pode fazer alguma coisa, você tem razão". Henry Ford

sábado, 15 de dezembro de 2007

O Zodíaco e a Lâmpada

Quantos arianos são necessários para trocar uma lâmpada? Apenas um, mas serão necessárias muitas lâmpadas.

Quantos taurinos? Nenhum: Taurinos não gostam de mudar nada.

Quantos geminianos? Dois (é claro). Vai durar o fim de semana inteiro, mas quando estiver pronto a lâmpada vai fazer o serviço da casa, falar francês e ficar da cor que você quiser.

Quantos cancerianos? Somente um. Mas levará três anos para um terapeuta ajudá-lo a passar pelo processo.

Quantos leoninos? Um leonino não troca lâmpadas, a não ser que ele segure a lâmpada e o mundo gire em torno dele.

Quantos virginianos? Vamos ver: um para girar a lâmpada, um para anotar quando a lâmpada queimou, e a data em que ela foi comprada, outro para decidir de quem foi a culpa da lâmpada ter sido queimada e perguntar, dez para decidir como remodelar a casa enquanto o resto troca a lâmpada...

Quantos librianos? Bom, na realidade eu não sei. Acho que depende de quando a lâmpada foi queimada. Talvez só um, se for uma lâmpada comum, mas talvez dois se a pessoa não souber onde encontrar uma lâmpada, ou ...

Quantos escorpianos? Mas quem quer saber? Por que "você" quer saber? Você é um policial?

Quantos sagitarianos? O sol está brilhando, está cedo, nós temos a vida inteira pela frente, e você está preocupado em trocar uma lâmpada estúpida?

Quantos capricornianos? Nenhum. Capricornianos não trocam lâmpadas - a não ser que seja um negócio lucrativo.

Quantos aquarianos? Vão aparecer centenas, todos competindo para ver quem será o único a trazer a luz ao mundo.

Quantos piscianos? O quê? A luz está apagada?

domingo, 16 de setembro de 2007

Homemúsica, de Michel Melamed

"Podia ser em qualquer direção que o sentido seria um só. Os paus-de-arara, ônibus, carroças e caminhões, todos atravessam o país sem fazer cócegas, carinho ou cicatriz. O mapa parece intocado apesar do trajeto incessante. Como um carrinho de mão por sobre a terra este rastro deveria ficar marcado, este percurso merecia se fundir ao chão, afundá-lo. Essas estradas que ligam o norte e o sul do país, pelas histórias que carregam, deveriam estar abaixo do nível do mar.Mas não é assim que banda nenhuma toca. E é por isso que tem cidade grande e cidade pequena. Tem a cidade que manda e a que corre atrás da bolinha, traz os chinelos. É cidade catando migalha, cidade de quatro pra cidade, chupando o pau de cidade, tomando cascudo e vomitando sobre a outra que agradece dada a penúria. E maioria em volta em silêncio. De vez em quando o som das rodovias rompe esse silêncio, mas não muda nada não. Porque as cidades estão só brincando, são como crianças. Crianças perversas maltratando-se umas às outras. Daí tem a cidade maiorzona, desengonçada e má, que bate em todo país, mas que mais dia menos dia vai levar porrada de todas juntas ou de uma pequena, que então vai virar herói e namorar a cidade mais bonita daquela região..."

Informações da peça aqui e aqui.

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Signos e Transcriação

É universal que os signos são a substância que iniciam qualquer pessoa em algum conhecimento especializado, esotérico. Muitas vidas são criadas por meio deles, muitas são vividas por eles, símbolos estão desde os primórdios guiando a busca pelo que idealmente representa a plenitude da vida, sendo os mapas e princípios moldados desde a epigênese humana para a aventura da felicidade.

Algo interessante num símbolo é que ele costuma representar imageticamente a mesma idéia em toda parte do Globo, embora com juízos morais diferentes. Então, apesar das idéias serem as mesmas, as práticas são diferentes pelos humores e culturas de cada povo. Isso se manifesta na forma de expressar o que há na mente, a linguagem.

Estudos hoje em dia em filologia estão transformando a forma de tradução e transcrição de textos clássicos, por causa de um estudo mais aprofundado dos radicais nas nuances e práticas simbólicas de um povo, o que finalmente traz ao assunto desse post: a coleção Signos, da
Editora Perspectiva, dirigida por Haroldo de Campos. A grande sacada do Haroldo foi o neologismo Transcriação, que ele bem cunhou pra dizer que não transcrevia os textos das suas linguagens de origem, e sim transcriava pela procura na gênese da linguagem as idéias fundamentais que estariam simbolizadas no texto. Todos os livros dessa coleção são transcriados nessa ótica.

Destes eu já li Bere'shit, do próprio Haroldo de Campos, e agora leio As Bacantes, de Eurípedes, transcriado por Trajano Vieira. São experiências filologicamente fascinantes. Copio aqui um trecho da apresentação de As Bacantes:

"Excêntrico ao Cosmos, marginal ao Olimpo, Dioniso volta à cena para assumir o papel de símbolo. O exílio é um aspecto essencial de sua biografia, constitui o âmago da figura mitológica grega mais recorrente no imaginário social. Sua expressão é arquetípica, se considerarmos que as mais distintas manifestações de transe, de êxtase e de transgressão possuem algo do deus do vinho. O teatro é o espaço privilegiado por esse personagem que adota a máscara sorridente como signo da invenção. Invenção do gesto, mas também da identidade e, sobretudo, da linguagem. Avesso à redundância, Baco ri de quem resiste à renovação e o pune com a loucura. Penteu representa o chefe de Estado obtuso, cujo poder presumido sofre implosão.
...
O rompimento do esquema hierárquico está conectado com a invenção artística."


Isso me lembrou a absolvição criminosa de Renan Calheiros, e a mentira de alguns quando da apuração pública dos votos. A politicagem lá de Brasília realmente precisa de um jeito dionisíaco.

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

O Bambu Chinês

Depois de plantada a semente deste incrível arbusto, não se vê nada por aproximadamente 5 anos, exceto um lento desabrochar de um diminuto broto a partir do bulbo. Durante 5 anos, todo o crescimento é subterrâneo, invisível a olho nu, mas... uma maciça e fibrosa estrutura de raiz que se estende vertical e horizontalmente pela terra está sendo construída. Então, no final do 5º ano, o bambu chinês cresce até atingir a altura de 25 metros. (Trecho de um texto recebido de Léo Pope)

Um pouco de Agricultura Celeste pra animar o dia.

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Desejo e Ethos

É singular ver cada tribo tem seu ethos e motivo ideológico, formando e sendo formado com as conquistas e atualizações do modo de ser do seu povo. Já que eu acho tão difícil englobar tanta diversidade e tanta vulgata pós-moderna, com tanta tecnologia e virtualidade assim também demagogia e corporativismo, resolvi começar explicando como será meu ethos e meu norte em tudo o que eu escrever: O ato de comer os Dasein.

O gosto disso é tão revelador que foi motivo de estudo de Jacques Lacan, e aliás foi ele mesmo quem escreveu essa frase em um dos seus seminários. Fiquei sabendo disso lendo um artigo da revista
The Symptom, em Lacan.com. Fiquei realmente impressionado e entusiasmado com a idéia, e de começo aqui vai um pedaço do texto, de autora Janne Kurki:

"The hour of truth implies that the letter—which cannot be divided—must enter into articulation (the order of the Law based on divisions, that is, on the structures of differences) without being melted into it. In the terms of Seminar VII, little by little we learn—that is, experience—that the goods we are after are not the Thing. This is the presupposition for the clinical effect of speaking cure: it creates the separation from the (m)Other. By saying aloud the things that have articulated our life (and death), we find out that they are not what we are after, that they are just changeable goods, represented by the Other in order to incorporate us into its system. We are part of it, but we are also something else and it is this “something else” that both bothers/haunts us (our “symptoms”/ sinthomes) and liberates (cures) us."

Essa descoberta me lembrou a Antropofagia dos visionários de 22, que se manifesta na "ciência do ajuste" nas palavras seguintes:

"The descriptive side of the arrival of the letter informs us of the experience-based success of psychoanalytic process and its relationship to the hour of truth: the letter will arrive at an articulation and because of this the truth will be said. However, this truth has its non-said side (alētheia implies its lētheia) which is its presupposition. In terms of eating one's Dasein, this means that—therapeutically—you must eat your Dasein at the hour of truth and—according to psychoanalytic experience—you will do it. Needless to say, the taste of Dasein is singular."

Não preciso dizer também que esse Weblog vai falar das complexidades e paradoxos, exatamente degustando os Dasein das mais diversas classes e posições a regurgitar novas formas, como bom taurino que sou.

E que o bom humor me guie na vereda da justiça.