quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Nobody said it was easy

Coldplay - The Scientist

Finding the door to a parallel universe

If there were a portal linking us to a parallel universe or some other region of space, how would we spot it? One suggestion is that it will give itself away by the curious way it bends light.

The existence of wormholes linking different regions of space was suggested in 1916 by the Austrian physicist Ludwig Flamm as a possible solution to equations of general relativity, which Einstein had published that year. They have since become accepted as a natural consequence of general relativity, which predicts that matter entering one end of a wormhole would instantly emerge somewhere else, so long as the wormhole is somehow propped open.

Though no direct evidence for wormholes has been observed, this could be because they are disguised as black holes. Now Alexander Shatskiy of the Lebedev Physical Institute in Moscow, Russia, is suggesting a possible way to tell the two kinds of object apart. His idea assumes the existence of a bizarre substance called “phantom matter”, which has been proposed to explain how wormholes might stay open. Phantom matter has negative energy and negative mass, so it creates a repulsive effect that prevents the wormhole closing.

According to Shatskiy’s calculations, the way phantom matter deflects light would give the wormhole a signature that astronomers could look out for. The gravity of an object with a positive mass, such as an ordinary black hole, focuses light rays passing close to it as if it were a giant concave lens – an effect known as gravitational lensing. Phantom matter’s negative mass would have the opposite gravitational lensing effect to normal matter, making any light passing through the wormhole from another universe or point in space-time diverge, and emerge from it as a bright ring. Meanwhile, any stars behind it would shine through the middle. Shatskiy suggests that his idea might offer a way for future space-based observatories such as Russia’s planned Millimetron Project to look for wormholes at the centre of large galaxies.

Other researchers point out that the idea relies on several untested assumptions. “It is an interesting attempt to actually think of what a real signature for a wormhole would be, but it is more hypothetical than observational,” says Lawrence Krauss at Case Western Reserve University in Cleveland, Ohio. “Without any idea of what phantom matter is and its possible interactions with light, it is not clear one can provide a general argument.” Critics also point out that even if phantom energy does exist, other objects might create a similar light signature. “The basic mechanism would not distinguish wormholes from negative energy ‘stars’,” says Don Marolf at the University of California, Santa Barbara.

What’s more, today’s telescopes would struggle to see the signature in enough detail, says astronomer Daniel Holz at the University of Chicago, though he doesn’t reject Shatskiy’s idea out of hand. “It’s an interesting thing to think about, maybe after a few beers.”

de eurekalert.org

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

François, Duc De La Rochefoucauld

A man is never as fortunate—or as unfortunate—as he imagines.

O Duque de Rouchefoucault é um dos mais emblemáticos nobres que tive fortuna de conhecer. Farei um grande apanhado do aguçado juízo do nobre.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

If it's cool, creative and different, it's Indie

(CNN) Sean McCabe said he remembers when indie was truly indie.

"I spent my formative years going to record shops and spending hours hunting down obscure things," the 35-year-old art director from New York said with a laugh. "It was indie on every level."

But, McCabe said, things have changed.

The term "indie" traditionally refers to independent art -- music, film, literature or anything that fits under the broad banner of culture -- created outside of the mainstream and without corporate financing.

In music, for example, the term refers to music produced and funded by any band or label not affiliated with the four or five major corporate labels like Sony or Epic. The same holds true generally for the music and film industry.

Eugene Hernandez, editor-in-chief of indieWIRE, a site dedicated to independent movies, said the definition of indie was founded on the virtues of self-publishing and self-releasing books, magazines, tapes, records, and just about everything else from buttons to clothing to posters.

"If you're going to be as strict as possible, the only definition was DIY -- do it yourself," he said, referring to the ethos of the punk bands and labels that flourished in the late 1970s and 1980s.

Ryan Schreiber, the editor and founder of Pitchfork Media, a popular online magazine that chronicles the indie music scene, said the definition also embodies a sense of idealism and an anti-corporate attitude.

"[The term] has also, for years, been sort of the de facto label for an entire subculture of idealistic artists and music fans who place a lot of stock in the idea of making music for yourself or your friends, rather than for profit or popularity," he said.

Richard Nash, who runs New York-based Soft Skull Press, an independent publishing firm, said indie outfits are not necessarily beholden to the same profit-based bottom line and shareholder pressure that most corporations are.

They are, consequently, freer to publish and release products that may not have tremendous commercial appeal. "In our situation, we really do recognize that what we do is not always economically rational," he said.
Indie's meaning evolves

Since the scene's inception in the late 1970s with the advent of punk, some say that the term indie has evolved into something that has far less meaning than the original rebellious, creative, do-it-yourself aesthetic.

"For me indie is convenient to use as a term, but it's hard to actually accept that it actually exists on any meaningful level now," said McCabe, who is best known for his work with Interpol -- a popular band from New York City who, coincidentally, just left their indie label to sign with Capitol, one of the largest major labels around.

According to critics, indie is now nothing more than a branding tool: a highly commercial and money-driven movement, more concerned with marketing a particular image instead of culture with a truly independent nature and passion for its art.

In May, Dave Cool, a Montreal-based filmmaker, released "What is Indie?" -- a documentary that takes a look at indie musicians and attempts to determine what being indie actually means.

With major labels and corporations now handling distribution for some indie record labels and major film studios buying or inking deals with what were once independent film studios, the definition has become "irrelevant at this point," Cool said.

As far as films -- their content and development -- are concerned, indieWIRE's Hernandez has had to relax his definition as the waters of independent film become muddier.

"You just know it when you see it," he said. "An indie movie either sort of feels right or it doesn't. For me, an indie film is one that is made outside of the traditional Hollywood system, typically driven by a filmmaker who is in control of the project."
Corporations catch on

The adoption of indie music by corporations started in the mid-90s, when Nirvana, a fiercely independent rock band from the state of Washington, exploded onto the mainstream. Their success and wildly loyal fan base -- both of which continued to exist after lead singer Kurt Cobain committed suicide in 1994 -- convinced mainstream radio and labels that their kind of music could be popular.

"There's always been this idea that if independent music was given wider exposure that a lot of artists would appeal to a broader audience," Schreiber said.

"The popularity of bands like Nirvana and Sonic Youth in the early '90s proved that to an extent, and we're now beginning to see that again with bands like Modest Mouse, Death Cab for Cutie, and Yeah Yeah Yeahs."

The same happened in the movie industry with the success of films like Quentin Tarantino's "Pulp Fiction."

Consequently, the lines have been blurred between the two camps.

For example, smaller music labels, eager for financial success on a wider scale, have adopted business practices of major labels once considered anathema in the scene, like hiring PR firms and street teams to market their records and licensing songs to advertising companies.

Conversely, major labels and film studios now use the indie tag to market authenticity, often slapping an indie label on a piece of art, even if the label isn't necessarily accurate, to attract a hipper, younger demographic eager for original and offbeat entertainment.

"Films by those big companies tend to get a lot more of the attention and sort of get perceived by the mass public as being indie when maybe they aren't really and those films may take attention from the really indie films made for just a few hundred thousand dollars," Hernandez said.

Yet there are many examples that prove simply inking a deal with a corporate entity doesn't mean compromising an idiosyncratic artistic vision.

Bands like Sonic Youth and Built to Spill, who have signed with major labels, and directors like Wes Anderson and Sofia Coppola, who have made films in the major studio system, have largely retained their authenticity and identity.

Meanwhile, many independent hip-hop labels that have distribution deals with larger corporations have developed and promoted acts that never cross over into mainstream pop culture.
Internet fuels indie growth

Another factor that has erased the line between what it means to be indie and what it means to be corporate is emerging technology like the Internet and file-sharing systems that have allowed for more accessibility and better distribution for smaller labels and imprints.

"The Internet is definitely the most significant influence on indie culture at the moment," Schreiber said.

Online outlets such as iTunes and MySpace have made it easier for fans to find original music, or for bands to set up their own sites and distribute their own music. And video uploading sites like YouTube allow aspiring filmmakers to showcase their work to potentially millions of people, without viewers ever having to step inside a movie theater.
story.superchunk.gi.jpg

Mac McCaughan of the band Superchunk co-founded Merge Records in 1989.

"The limits of physical retail don't exist in the digital world," said Glenn Peoples, a popular music blogger and veteran of the entertainment industry.

The Internet has erased the need for a brick and mortar shop, allowing for even the smallest of music labels, clothing boutiques or magazines to become available to the masses.

But technology has also made a prime staple of independent culture -- its exclusivity and autonomous nature -- nearly obsolete, diluting the intimacy that the scene often defines itself by.

"Because independent music sprung up as an antidote to the mainstream, there's probably always going to be an overarching sense of superiority there -- people who believe independent music is inherently better than pop music," Schreiber said. "But elitism exists in every subculture, so I don't know if it's an intrinsically indie attribute."

Susan Shin, who was a DJ at her Wellesley College's independent rock station for four years, was more fervent about the consequences of the increased attention.

"From the perspective of a die-hard hipster from the days of old, publicity for [indie artists] means that more people know about them," she said. "And if everyone likes them, they become a bigger name. I feel it's an affront to me that someone with vapid tastes could be exposed to the stuff that I like.

"But again, that's because I'm a snob."
A culture that's here to stay

Most observers, however, think that, despite big business dipping its toes into indie waters, true independent culture can survive, though the definition might remain ever-changing.

Plenty of indie labels like Dischord Records in Washington, Merge Records in Chapel Hill, North Carolina, and Drag City in Chicago, Illinois, are thriving. Independent films often make splashes at prominent film festivals and once in a while even snag an Academy Award. Independent publishing firms, though scarce in number, are slowly gaining more clout.

And even if indie doesn't literally mean independent, do-it-yourself art any longer, that doesn't mean it will ever fall off the radar. "These days indie is more of a philosophy," Cool said. "If you can maintain control and integrity over your art, whether on your own or with a corporation -- that's what's important."

The indie spirit has been commodified and re-envisioned as a marketable lifestyle just like punk, alternative and grunge before it, Pitchfork's Schreiber said. "But those are all permutations of the same very resilient subculture," he said.

"If the last 30 years are any indication, after every last cent has been wrung from it, it'll just burrow back underground and continue on its own terms," he said. "You can't kill the ideal."

CNN's Curt Merrill contributed to this report.

Immerse your soul in love

Street Spirit - Radiohead

Lições Corporativas

Lição No.1

Um homem está entrando no chuveiro enquanto sua mulher acaba de sair dele e está se enxugando. A campainha da porta toca. Depois de alguns segundos de discussão para ver quem vai atender a porta, a mulher desiste, se enrola na toalha e desce as escadas. Quando ela abre a porta, vê o vizinho Pedro em pé na soleira.
Antes que ela possa dizer qualquer coisa, Pedro diz:
- “Eu lhe dou “$ 800 Reais” se você deixar cair esta toalha!”
Depois de pensar por alguns segundos, a mulher deixa a toalha cair e fica nua. Pedro então entrega a ela os 800 Reais prometidos e vai embora.
Confusa, mas excitada com sua sorte, a mulher se enrola de novo na toalha e volta para o quarto.
Quando ela entra no quarto, o marido grita do chuveiro:
- “Quem era?”
- “Era o Pedro, o vizinho da casa ao lado.”, diz ela.
O marido pergunta:
- ” Ótimo! Ele lhe deu os 800 Reais que estava me devendo ? ”

Moral da história:

“Se você compartilha as informações à tempo, você pode prevenir “exposições” desnecessárias!!!”

Lição No.2

Dois funcionários e o gerente de uma empresa saem para almoçar e na rua encontram uma antiga lâmpada à óleo. Eles esfregam a lâmpada e de dentro dela sai um gênio.
O gênio diz:
- “Eu só posso conceder três desejos, então, concederei um a cada um de vocês”.
- “Eu primeiro, eu primeiro !”, grita um dos funcionários. “Eu quero estar nas Bahamas dirigindo um barco, sem ter nenhuma preocupação na vida!” Puf ! e ele se foi.
O outro funcionário se apressa a fazer o seu pedido:
- “Eu quero estar no Havaí, com o amor da minha vida e um provimento interminável de pinas coladas!” Puf ! e ele se foi.
- “Agora você” diz o gênio para o Gerente.
- “Eu quero aqueles dois de volta ao escritório logo depois do almoço!”

Moral da História:

“Deixe sempre o seu chefe falar primeiro!!!”


Lição Nº 3

Um corvo está sentado numa grande árvore o dia inteiro sem fazer nada. Um pequeno coelho vê o corvo e pergunta:
- “Eu posso sentar como você e não fazer nada o dia inteiro?”
O corvo responde:
- “Claro, porque não?”
O coelho então, senta-se no chão embaixo da árvore e relaxa. De repente uma raposa aparece e come o coelho.

Moral da História:

“Para ficar sentado sem fazer nada, você deve estar sentado bem no alto!!!”


Lição Nº 4

Na África todas as manhãs, a mais lenta das gazelas acorda sabendo que deve conseguir correr mais depressa do que o mais rápido dos leões se quiser se manter viva. E todas as manhãs o mais lento dos leões acorda sabendo que deve correr mais depressa do que a mais rápida das gazelas, se ele não quiser morrer de fome.

Moral da História:
“Não faz diferença se você é a gazela ou o leão, quando o sol nascer comece a correr!!!”


Lição Nº 5

Um fazendeiro resolve colher algumas frutas em sua propriedade. Pega um balde vazio e segue rumo às árvores frutíferas. No caminho ao passar por uma lagoa, ouve vozes femininas que provavelmente invadiram suas terras. Ao se aproximar lentamente, observa várias garotas nuas se banhando na lagoa. Quando elas percebem a presença do fazendeiro, nadam até a parte mais profunda da lagoa e gritam:
- “Nós não vamos sair daqui enquanto o Senhor não parar de nos espiar e for embora!”
O fazendeiro responde:
- “Eu não vim aqui para espiar vocês, eu só vim alimentar os jacarés!”

Moral da História:
“A criatividade e a rapidez de raciocínio são o que fazem a diferença quando queremos atingir nossos objetivos!!”

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Jedi Karajan

Beethoven Symphony No. 9 in D Minor, Op. 125 - Herbert Von Karajan

Célula-Tronco

"O importante é estar pronto para, a qualquer momento, sacrificar o que somos pelo que podemos vir a ser."
-Charles Du Bois

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Bravo!

Copying Beethoven

Extreme Sports

Big Wave Hunters

Champignose

Para Aristóteles, a filosofia é essencialmente teorética: deve decifrar o enigma do universo, em face do qual a atitude inicial do espírito é o assombro do mistério. O seu problema fundamental é o problema do ser, não o problema da vida. Seu objeto próprio da filosofia são as essências imutáveis e a razão última das coisas, o universal e o necessário, as formas e suas relações. No entanto, as formas são imanentes na experiência, nos indivíduos, de que constituem a essência.

A filosofia aristotélica é, portanto, conceptual como a de Platão, mas parte da experiência; é dedutiva, mas o ponto de partida da dedução é tirado mediante o intelecto da experiência.

A filosofia, pois, segundo Aristóteles, dividir-se-ia em teorética, prática e poética, abrangendo, destarte, todo o saber humano, racional. A teorética, por sua vez, divide-se em física, matemática e filosofia primeira (metafísica e teologia); a filosofia prática divide-se em ética e política; a poética em estética e técnica.

Aristóteles é o criador da lógica, como ciência especial, sobre a base socrático-platônica; é denominada por ele analítica e representa a metodologia científica. Foi dito que, em geral, a ciência, a filosofia - conforme Aristóteles, bem como segundo Platão - tem como objeto o universal e o necessário, pois não pode haver ciência em torno do individual e do contingente, conhecidos sensivelmente.

Sob o ponto de vista metafísico, o objeto da ciência aristotélica é a forma, como idéia era o objeto da ciência platônica. A ciência platônica e aristotélica são, portanto, ambas objetivas, realistas: tudo que se pode aprender precede a sensação e é independente dela...

Na Terra de Abraão

Empresa árabe anuncia '1ª cidade sustentável' do mundo


Representantes da empresa de energia árabe Masdar Initiative e arquitetos britânicos da Foster and Partners apresentaram nesta segunda-feira (21), durante uma conferência sobre energia em Abu Dhabi, os detalhes sobre a primeira cidade sustentável do mundo, localizada nos Emirados Árabes Unidos.

Chamada de Masdar ("a fonte", em árabe), a cidade será a primeira livre de emissões de carbono e desperdício. Além disso, será abastecida apenas com energia renovável.

Localizada no deserto nos arredores de Abu Dhabi, a cidade murada será construída em uma área de seis quilômetros quadrados e terá capacidade para abrigar 50 mil habitantes e 1,5 mil estabelecimentos comerciais.

A previsão é de que os primeiros moradores se mudem para a cidade no início de 2009.

Cidade 'verde' - Segundo Norman Foster, da Foster and Partners, Masdar será livre de emissões de carbono, com 100% de sua energia fornecida por fontes renováveis.

A cidade deve abrigar também a maior fonte de energia fotoelétrica (conversão direta da energia solar em energia elétrica) do mundo.

Masdar também não terá desperdício, dizem os arquitetos, já que a previsão é de que 99% do lixo seja reciclado ou transformado em compostos.

Outra novidade é o transporte público da cidade, que não terá carros. De acordo com o planejamento urbano elaborado pelos arquitetos da Foster and Partners, nenhum pedestre terá que andar mais de 200 metros para ter acesso ao transporte público.

Além disso, a maioria das ruas da cidade terá apenas 3 metros de largura e 70 de comprimento para facilitar a passagem do ar e incentivar a caminhada.

"Masdar promete estabelecer padrões para as cidades sustentáveis do futuro", diz um comunicado da Foster and Partners.

Fonte: Ambiente Brasil

sábado, 19 de janeiro de 2008

משיח

"Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: 'Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres?' Então, lhes direi explicitamente: 'Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade.'”
- O Rabbi

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Fake Plastic Trees

Radiohead

Air Race

Web 2.0

A Internet, depois da indexação do Hyper Text Markup Language e dos protocolos de comunicação TCP/IP, começou a alguns poucos anos a se tornar uma grande plataforma para a base de dados planetária. O conteúdo imenso agora deveria ser bem segmentado, pacotes aplicativos nativos, informação assincrônica dependendo da solicitação, pacotes de scripts sendo enviados e executados ao computador usuário, e as empresas surgindo para personalizar a experiência na web servindo conteúdo, desenvolvendo aplicações, distribuindo informações aos lugares certos, montando pacotes, portais, redes de relacionamento, diferenciação, interatividade, design, serviços online, servidores de arquivos, espaços para a criação interativa, afinal um enorme banco de dados onde a colaboração é a única forma de sobrevivência, não separada da imperativa capacidade de acesso de qualquer "spot".
Estava criado o conceito Web 2.0. Um grande gathering. Um grande clube, uma mega social.
Hoje estão imersos na vida cotidiana de um indivíduo wired: Youtube, 3G, Flickr, Orkut, Myspace, Digg, Technorati, Last.fm, 4shared, Rapidshare, Slideshare, Google, Podcasting, del.icio.us, Picnik, Twitter, Blogger, RSS, Wikipedia...
Algumas curiosidades:

Tim O'Reilly - O artigo original sobre Web 2.0
Info Abril
Folha de São Paulo
web2.0.br
lista2.0br
Carreira Solo
Dicas-L

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Radio "Indie" Head

everything in it's right place - Radiohead [remix]

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Riff


“Inspiração é para amadores. Eu apenas começo a trabalhar.”

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

13 modos de olhar um Melro

"Não sei o que preferir,
A beleza das inflexões
Ou a beleza das alusões."



Thirteen Ways of Looking at a Blackbird
Wallace Stevens

I Among twenty snowy mountains, The only moving thing Was the eye of the blackbird.

II I was of three minds, Like a tree In which there are three blackbirds.

III The blackbird whirled in the autumn winds. It was a small part of the pantomime.

IV A man and a woman Are one. A man and a woman and a blackbird Are one.

V I do not know which to prefer, The beauty of inflections Or the beauty of innuendoes, The blackbird whistling Or just after.

VI Icicles filled the long window With barbaric glass. The shadow of the blackbird Crossed it, to and fro. The mood Traced in the shadow An indecipherable cause.

VII O thin men of Haddam, Why do you imagine golden birds? Do you not see how the blackbird Walks around the feet Of the women about you?

VIII I know noble accents And lucid, inescapable rhythms; But I know, too, That the blackbird is involved In what I know.

IX When the blackbird flew out of sight, It marked the edge Of one of many circles.

X At the sight of blackbirds Flying in a green light, Even the bawds of euphony Would cry out sharply.

XI He rode over Connecticut In a glass coach. Once, a fear pierced him, In that he mistook The shadow of his equipage For blackbirds.

XII The river is moving. The blackbird must be flying.

XIII It was evening all afternoon. It was snowing And it was going to snow. The blackbird sat In the cedar-limbs.

Querela

Os preguiçosos estão sempre a falar do que tencionam fazer, do que hão-de realizar; aqueles que verdadeiramente fazem alguma coisa não têm tempo de falar nem sequer do que fazem.
(Goethe)

Exposição



"Arte sem ciência é nada."
-Leonardo da Vinci

domingo, 13 de janeiro de 2008

Do Japão

Peça campeã do Kaisou Taisou, concurso de teatro do canal NTV.

Olympic Highlights


Apresentações de outros anos:
Ping Pong Matrix
Shaolin Soccer

Improvise!

por Charles Mingus, jazzista

1. Não sofra por antecedência tentando controlar exatamente tudo o que seus parceiros fazem.
2. Não fique obcecado em fazer a coisa certa. Dê o seu melhor.
3. Não se importe demais com o que vem a seguir. Seja responsável, mas saiba relaxar.
4. Siga o fluxo.
5. Improvisar é se relacionar com os outros, não uma exibição de ego.
6. Aprenda as regras para poder quebrá-las.
7. Não se prenda a papéis e procedimentos (como as partituras). Saiba usá-los, mas também abandoná-los quando necessário.
8. Escolhas demais paralizam. Crie certos limites para a criatividade fluir com foco.
9. Use estruturas comuns, populares, e até idéias consagradas. Mas de forma criativa.
10. Deu errado? Não se abale, corrija o curso rapidamente e siga em frente.

sábado, 12 de janeiro de 2008

Considerações Planetárias











www.mudeomundo.com.br

Waking Life, o Filme

Trailer

A Seleção Natural e o Gosto

Os japoneses sempre adoraram peixe fresco. Porém, as águas perto do Japão não produzem muitos peixes há décadas. Assim, para alimentar a sua população, os japoneses aumentaram o tamanho dos navios pesqueiros e começaram a pescar mais longe do que nunca. Quanto mais longe os pescadores iam, mais tempo levava para o peixe chegar. Se a viagem de volta levasse mais do que alguns dias, o peixe já não era mais fresco. E os japoneses não gostaram do gosto destes peixes. Para resolver este problema, as empresas de pesca instalaram congeladores em seus barcos. Eles pescavam e congelavam os peixes em alto-mar. Os congeladores permitiram que os pesqueiros fossem mais longe e ficassem em alto mar por muito mais tempo. Os japoneses conseguiram notar a diferença entre peixe fresco e peixe congelado e, é claro, eles não gostaram do peixe congelado. Entretanto, o peixe congelado tornou os preços mais baixos. Então, as empresas de pesca instalaram tanques de peixe nos navios pesqueiros. Eles podiam pescar e enfiar esses peixes nos tanques, como "sardinhas". Depois de certo tempo, pela falta de espaço, eles paravam de se debater e não se moviam mais. Eles chegavam vivos, porém cansados e abatidos.

Infelizmente, os japoneses ainda podiam notar a diferença do gosto. Por não se mexerem por dias, os peixes perdiam o gosto de frescor. Os consumidores japoneses preferiam o gosto de peixe fresco e não o gosto de peixe apático. Como os japoneses resolveram este problema? Como eles conseguiram trazer ao Japão peixes com gosto de puro frescor? Se você estivesse dando consultoria para a empresa de pesca, o que você recomendaria?

Antes da resposta, um momento de meditação:
Quando pessoas atingem objetivos, tais como quando encontram uma namorada maravilhosa, começam com sucesso numa empresa nova, pagam todas as suas dívidas ou o que quer que seja, elas podem perder as suas paixões. Elas podem começar a pensar que não precisam mais trabalhar tanto, então, relaxam. Elas passam pelo mesmo problema dos ganhadores de loteria, que gastam todo seu dinheiro, o mesmo problema de herdeiros, que nunca crescem, e de donas-de-casa, entediadas, que ficam dependentes de remédios de tarja preta. Para esses problemas, inclusive no caso dos peixes dos japoneses, a solução é bem simples..

L. Ron Hubbard observou, no começo dos anos 50:
"O homem progride, estranhamente, somente perante a um ambiente desafiador".

Quanto mais inteligente, persistente e competitivo você é, mais você gosta de um bom problema. Se seus desafios estão de um tamanho correto e você consegue, passo a passo, conquistar esses desafios, você fica muito feliz. Você pensa em seus desafios e se sente com mais energia. Você fica excitado e com vontade de tentar novas soluções. Você se diverte. Você fica vivo!

Então...para conservar o gosto de peixe fresco, as empresas de pesca japonesas ainda colocam os peixes dentro de tanques nos seus barcos. Mas eles também adicionam um pequeno tubarão em cada tanque. O tubarão come alguns peixes, mas a maioria dos peixes chega "muito vivo". E fresco no desembarque.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Búfalo Bill


Os primeiros colonizadores da América do Norte identificaram um fenômeno e puderam dizimar inúmeras manadas de búfalos com enorme facilidade: bastava matar o líder da manada. Na ausência do líder, os “liderados” não sabiam para onde ir, sendo massacrados sem maiores problemas.

Em contraste com a manada de búfalos, Belasco & Stayer, identificam um novo modelo organizacional de liderança, no “Vôo dos Gansos”. Os gansos voam em “V”, a liderança muda com freqüência, com diferentes gansos revezando-se no trabalho de orientação do grupo. Todos os gansos são responsáveis por si mesmos à medida que se deslocam, mudando de papel de acordo com as necessidades, alternando-se na função da liderança. Quando muda a tarefa, os gansos são responsáveis pela mudança da estrutura do grupo de modo a poder se acomodar à nova realidade, de forma semelhante ao processo de aterrissagem desses pássaros, durante o qual abandonam a formação em “V” para descer em ondas.

Quem já observou um “Vôo de gansos” afirma que é possível visualizar todos os gansos na liderança.

Comprei num sebo em SP com os cumprimentos do BankBoston.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Imagine!

public class Teleguiado

A Mentira

Porque é que, na maior parte das vezes, os homens na vida quotidiana dizem a verdade? Certamente, não porque um deus proibiu mentir. Mas sim, em primeiro lugar, porque é mais cómodo, pois a mentira exige invenção, dissimulação e memória. Por isso Swift diz: «Quem conta uma mentira raramente se apercebe do pesado fardo que toma sobre si; é que, para manter uma mentira, tem de inventar outras vinte». Em seguida, porque, em circunstâncias simples, é vantajoso dizer directamente: quero isto, fiz aquilo, e outras coisas parecidas; portanto, porque a via da obrigação e da autoridade é mais segura que a do ardil. Se uma criança, porém, tiver sido educada em circunstâncias domésticas complicadas, então maneja a mentira com a mesma naturalidade e diz, involuntariamente, sempre aquilo que corresponde ao seu interesse; um sentido da verdade, uma repugnância ante a mentira em si, são-lhe completamente estranhos e inacessíveis, e, portanto, ela mente com toda a inocência.

Friedrich Nietzsche, in 'Humano, Demasiado Humano'

Com os olhos embotados de cimento e tráfego...

Construção - Chico Buarque de Hollanda


Considerado o disco brasileiro mais influente de todos os tempos.

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Maciço de San Pablo

Região Metropolitana de São Paulo


Enorme, Megalópole, com atmosfera de Nova York e Cidade do México, Radiohead, David Bowie, negócios, oportunidades, lixo, espaço, diferença, Woody Allen, Spike Lee, e mais diferenças. A terra das oportunidades de escritório com negócios robustos, sem a alma cinematográfica carioca. Cinza, igual o "maciço" da foto acima, com pessoas coloridas, estilos acentuados, região ultra-urbanóide. Gostei, vale a visita e moradia temporária.

Artigo: Esqueça os países. O poder está com as cidades.


"não sou conduzido, conduzo"


São Paulo é considerada uma cidade global alfa, sendo a 14ª cidade mais globalizada do mundo, exercendo significativa influência em âmbito regional, nacional e internacional. É a mais populosa cidade de todo o hemisfério sul.
Fonte: Wikipedia

A Metafísica da Qualidade

The metaphysics of quality (MOQ) is a theory of reality introduced in Pirsig's philosophical novel Zen and the Art of Motorcycle Maintenance (1974) and expanded in Lila: An Inquiry into Morals (1991). The MOQ incorporates facets of East Asian philosophy, Pragmatism, the work of F. S. C. Northrop and Indigenous American philosophy. Pirsig argues that the MOQ is a better lens through which to view reality than the traditional dualistic subjective/objective mindset.

"Quality", or "value" as described by Pirsig, cannot be defined because it empirically precedes any intellectual constructions. It is the "knife-edge" of experience, known to all. "What distinguishes good and bad writing? Do we need to ask this question of Lysias or anyone else who ever did write anything?" (Plato's Phaedrus, 258d). Likening it with the Tao, Pirsig believes that Quality is the fundamental force in the universe stimulating everything from atoms to animals to evolve and incorporate ever greater levels of Quality. According to the MOQ, everything (including mind, ideas and matter) is a product and a result of Quality.

de Wikipedia

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Ajax e Web 3.0

Eric Schmidt, CEO da Google

Dr. Isaac Asimov

O Homem Duplo


Do mesmo criador de Minority Report, Blade Runner e O Vidente, esse filme traz o mesmo fel clássico de mentalidade supernatural de Philip K. Dick, agora com a tecnologia de animação da trupe de Richard Linklater, de Waking Life (que merece um post!). Tudo isso pela Warner Independent Films.

Saúde

Minha atmosfera agradece

domingo, 6 de janeiro de 2008

Lá no Samba

Não é por estar na sua presença
Meu prezado rapaz
Mas você vai mal
Mas vai mal demais
São dez horas, o samba tá quente
Deixe a morena contente
Deixe a menina sambar em paz

Eu não queria jogar confete
Mas tenho que dizer
Cê tá de lascar
Cê tá de doer
E se vai continuar enrustido
Com essa cara de marido
A moça é capaz de se aborrecer

Por trás de um homem triste há sempre uma mulher feliz
E atrás dessa mulher mil homens, sempre tão gentis
Por isso para o seu bem
Ou tire ela da cabeça ou mereça a moça que você tem

Não sei se é para ficar exultante
Meu querido rapaz
Mas aqui ninguém o agüenta mais
São três horas, o samba tá quente
Deixe a morena contente
Deixe a menina sambar em paz

Não é por estar na sua presença
Meu prezado rapaz
Mas você vai mal
Mas vai mal demais
São seis horas o samba tá quente
Deixe a morena com a gente
Deixe a menina sambar em paz

Deixe a menina - Chico Buarque

The International Jew

"Among the distinguishing mental and moral traits of the Jews may be mentioned: distaste for hard or violent physical labor; a strong family sense and philoprogenitiveness; a marked religious instinct; the courage of the prophet and martyr rather than of the pioneer and soldier; remarkable power to survive in adverse environments, combined with great ability to retain racial solidarity; capacity for exploitation, both individual and social; shrewdness and astuteness in speculation and money matters generally; an Oriental love of display and a full appreciation of the power and pleasure of social position; a very high average of intellectual ability."
- The New International Encyclopedia.

Introdução do livro homônimo de Henry Ford

Beleza Pura

sábado, 5 de janeiro de 2008

Campaign for a United Nations Parliamentary Assembly



Appeal for the establishment of a Parliamentary Assembly at the United Nations

Humanity faces the task of ensuring the survival and well being of future generations as well as the preservation of the natural foundations of life on Earth. We are convinced that in order to cope with major challenges such as social disparity, proliferation of weapons of mass destruction, the threat of terrorism or the endangerment of global ecosystems, all human beings must engage in collaborative efforts.

To ensure international cooperation, secure the acceptance and to enhance the legitimacy of the United Nations and strengthen its capacity to act, people must be more effectively and directly included into the activities of the United Nations and its international organizations. They must be allowed to participate better in the UN’s activities. We therefore recommend a gradual implementation of democratic participation and representation on the global level.

We conceive the establishment of a consultative Parliamentary Assembly at the United Nations as an indispensable step. Without making a change of the UN Charter necessary in the first step, a crucial link between the UN, the organizations of the UN system, the governments, national parliaments and civil society can be achieved through such an assembly.

Such an assembly would not simply be a new institution; as the voice of citizens, the assembly would be the manifestation and vehicle of a changed consciousness and understanding of international politics. The assembly could become a political catalyst for further development of the international system and of international law. It could also substantially contribute to the United Nation’s capacity to realize its high objectives and to shape globalization positively.

A Parliamentary Assembly at the United Nations could initially be composed of national parliamentarians. Step by step, it should be provided with genuine rights of information, participation and control vis-à-vis the UN and the organizations of the UN system. In a later stage, the assembly could be directly elected.

We appeal to the United Nations and the governments of its member states to establish a Parliamentary Assembly at the United Nations. We call for all organizations, decision-makers and citizens engaged with the international common interest to support this appeal.

Gottfried

Oráculo

Sorte de hoje: Você viajará para muito longe
-Orkut

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Panta Rhei

"The soul is dyed the color of its thoughts. Think that you are in use with your principles and can bear the full light of the day. The contest of your character is your choice. Day by day, what you choose, what you think, and what you do is who you become. Your integrity is your destiny - it is the light that guides your way."

"Os olhos e os ouvidos são maus testemunhos quando a alma não presta."

"A verdadeira constituição das coisas gosta de ocultar-se."

"Para os seres despertos, há somente um mundo comum."

"Tudo flui."

"Não cruzarás o mesmo rio duas vezes, porque outras são as águas que correm nele."

"Pois uma só é a coisa sábia, possuir o conhecimento que tudo dirige através de tudo."

"Não compreendem como o que diverge consigo mesmo concorda: harmonia de tensões retornantes, como de arco e lira."

"Harmonia não-manifesta é superior à aparente."

-Heráclito de Éfeso (540-470 a.C)

Pós-surrealismo

Dalí, 1956

Arte Conceitual

Mur de barils de petrole - Christo

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

POG

A Programação Orientada a Gambiarras (POG ou WOP - Workaround-oriented programming) é um paradigma de programação de sistemas de software que integra-se perfeitamente a qualquer grande Paradigma de Programação atual.
O primeiro POG que se tem notícia é datado de 1582 d.C. O nome deste POG hoje é chamado de Ano Bissexto, foi criado pelo Papa Gregório XIII, isso prova que aquela música dos Engenheiros do Havaí está correta: "O Papa é POG". Este POG foi aplicado quando descoberto que a Terra leva 365, 25 dias para dar uma volta no Sol, porém nosso calendário tem apenas 365 dias, o que leva a uma diferença de 6 horas por ano.
Ao invés de corrigir o "sistema" para que não houvesse essa diferença, a solução adotada pelo Papa foi: "A cada quatro anos, é só colocar mais um dia ali". E então foi criado o primeiro POG de que se tem notícia.

Fonte: Desciclopédia.
Artigo completo aqui.

O Tempo

"Você já parou pra pensar
que você nunca parou pra pensar
que pensar é fazer música?"

Fim de uma vida

Lá quando em mim perder a humanidade
Mais um daqueles, que não fazem falta,
Verbi-gratia — o teólogo, o peralta,
Algum duque, ou marquês, ou conde, ou frade:

Não quero funeral comunidade,
Que engrole "sub-venites" em voz alta;
Pingados gatarrões, gente de malta,
Eu também vos dispenso a caridade:

Mas quando ferrugenta enxada idosa
Sepulcro me cavar em ermo outeiro,
Lavre-me este epitáfio mão piedosa:

"Aqui dorme Bocage, o putanheiro;
Passou vida folgada, e milagrosa;
Comeu, bebeu, fodeu sem ter dinheiro".

Hermann Hesse

"Nada posso lhe oferecer que não exista em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo além daquele que há em sua própria alma. Nada posso lhe dar, a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo."

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Pacal Votan

Ó terráqueo, às vésperas do Terceiro milênio, que o regozijo te habite e te instrua. Os Nove Senhores do Tempo dispuseram-se a dar-te o Ser da Nova Era por vir. O Quinto Mundo, o da Sexta Era da Consciência, não mais admitirá uma humanidade senão galáctica. Não haverá mais tempo para aprender neste planeta. Teu tempo, Homo sapiens, esgotou-se. Só o conhecimento profundo poderá te tirar desse caos onde te meteste. O Planeta Terra, tua casa por milênios, cansou-se de tuas fraquezas e de tuas promessas. Agora o tempo é zero. Não mais haverá condescendência contigo. Está na hora de passares à Quarta dimensão e perderes esta idéia errada de tempo agonizando em ti. Esgotaste teu tempo sobre a Terra. Só os eleitos viverão a plenitude da Nova Era de Paz e Fraternidade Universal. Nenhuma religião prevalecerá sobre o Conhecimento, todas sucumbirão. O caminho da fraternidade foi violentado pela mentira que tu és, ó terráqueo. O novo Ser será íntegro, por dentro e por fora, fazendo ressoar as energias cósmicas benfazejas, provindas de Hunabku (sol central), o Deus único da Federação Intergaláctica.

No médico

"Watch your thoughts, for they become words. Choose your words, for they become actions. Understand your actions, for they become habits. Study your habits, for they will become your character. Develop your character, for it becomes your destiny."

Aos 23

Robert "Bob" Allen Zimmerman "Dylan", 1965.

terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Think Different

Carl Sagan's Cosmos

People are Strange

Palavra da Semana: Furibundo.
Alguém que faz uma comunicação num tom exageradamente feroz e agressivo. Por exemplo, "Quem não cumprir os objetivos está morto!". A palavra veio de "fúria". E, ao contrário do que alguns imaginam, em latim bundus era apenas "em estado de" - o "meditabundo" é alguém "em estado pensativo".

-Max Gehringer, Época, 3 dez 2007

Um peixe chamado Waldo

We do what we must, and call it by the best names we can.
-Ralph Waldo Emerson

Emerson na Wikipedia